“Eu também posso aprender” segue avante com sua finalidade: aproximar a Polícia Militar da comunidade. O 9° Batalhão, localizado na cidade do Gama, realiza mais um animado evento socioeducativo, na manhã desta quinta-­feira (30). A ação social foi realizada no CAIC, no Setor Oeste, com aproximadamente 730 crianças, além de pais, alunos e, claro, o policiamento comunitário. O dia começou com o hasteamento da bandeira brasileira e apresentação musical da banda da PMDF. As crianças, animadas, logo interagiram e iniciaram o dia com diversas atividades. O tenente-coronel Elziovan Matias Moreno afirma “o nosso objetivo é prevenir a criminalidade. Mostrar para essas crianças que podem contar com a Polícia Militar, que nós estamos ao lado delas e da sociedade”.

Entre as atividades estavam palestra sobre famílias e drogas, aferição de pressão arterial, estandes de saúde bucal, pintura de rosto e apresentações do grupo Lobo Guará, do Teatro Rodovia e do grupo de palhaços Pilombetagem. A coordenadora do projeto, sargento Margareth, atuante nas ações desde o início, diz entusiasmada que o que a move é “o coração”. Segundo ela, as regiões do Gama selecionadas para participar das ações seguem um critério: “procuramos realizar trabalhos socioeducativos naqueles locais que estão com um índice maior de criminalidade”.


O projeto completa quatro anos e o resultado “já surte efeito”, garante a sargento. "Aumentamos o nível de confiança e proximidade com a população e isso oferece uma segurança mais efetiva, a população acaba interagindo melhor com a gente” e completa “existem mais denúncias, a população sabe que pode contar com a PMDF”. A coordenadora do projeto finaliza “servimos a sociedade em geral, desde crianças, jovens, famílias e idosos, a demanda vai de acordo com a necessidade dos locais atendidos”. Ela conta que em determinada região estava ocorrendo “alto índice de casos Maria da Penha” a PMDF realizou, então, um trabalho de conscientização e orientação com as famílias e afirma “os casos diminuíram e a população obteve conhecimento sobre o assunto”.

Fonte: MP DF - 01/05/2015