A crise hídrica não atinge apenas Valparaíso e região. No Distrito Federal, os níveis dos dois reservatórios de água que abastecem Brasília e cidades satélites, nunca estiveram com os níveis tão baixos

POR ALOVALPARAISO FOTO: DIOMÍCIO GOMES - 10/09/2016 - 21:01:48

 

No início deste mês de setembro, os moradores de Cidade Ocidental, Luziânia e Valparaíso de Goiás, estão convivendo com um fato preocupante que tem deixado comércios, escolas, igrejas e residências dos três municípios diariamente sem água. Além de inúmeros transtornos, o problema tem causado irritação e prejuízos financeiros à população do Entorno Sul.

Buscando resolver a preocupante situação, a Saneago S.A. publicou uma nota esclarecendo todas as dúvidas dos consumidores e ligou o sinal de alerta em toda a região afetada pela adversidade.

Segundo a Companhia, o contratempo é ocasionado em função dos represamentos irregulares feitos por proprietários de chácaras e clubes no Ribeirão Saia Velha, manancial que abastece os municípios de Valparaíso e Cidade Ocidental. No último final de semana, a captação de água bruta baixou a um nível alarmante e que afetou o abastecimento das cidades.

O município de Luziânia encontra-se na mesma situação, devido aos represamentos irregulares que desviam o curso do Rio Palmital e prejudicam o abastecimento da população. O manancial é responsável por 40% da captação local.

Para resolver os casos, a Saneago acionou o Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) e está cuidando das ações pertinentes para solucionar o problema, o mais breve possível. Além dos represamentos ilegais, a falta de chuva têm gerado prejuízos incalculáveis e agravado as circunstâncias.

Recentemente a Saneago informou que está concluindo obras que dobraram a produção de água em Valparaíso e municípios vizinhos. A cidade será beneficiada pelo Sistema Produtor Corumbá, obra realizada no Parque Marajó em parceria com o Distrito Federal.

Falta de água também atinge o Distrito Federal

A crise hídrica não atinge apenas Valparaíso e região. No Distrito Federal, os níveis dos dois reservatórios de água que abastecem Brasília e cidades satélites, nunca estiveram com os níveis tão baixos.

De acordo com medição feita pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa), na última quinta-feira (08), o do Descoberto, o maior, está com 44,45% da capacidade; e o de Santa Maria, com 52%. Em função dos baixos índices, o DF entrou em estado de atenção. A ordem lá é de economizar água.

Segundo Resolução nº 13 da Adasa, entre 60% e 41%, é preciso tomar algumas medidas, como intensificar a fiscalização para evitar o desperdício e promover a alocação de água (compartilhamento). A preocupação é que, com a seca prolongada, os índices fiquem no nível crítico, entre 40% e 21%, o que pode provocar racionamento.

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), essa medida não está descartada se o nível dos dois reservatórios continuar baixando. A empresa está com uma campanha para que a população economize água especialmente neste período.