Com surdos no elenco, a peça As mãos que rompem o silêncio é interpretada em português e em Língua Brasileira de Sinais (Libras)

Quando subir no palco da sala Plínio Marcos para dar vida à personagem Aninha, na próxima segunda-feira (27), a atriz Raquel Portela estará contando um pouco da própria história. "Quando estudei, não existia sequer a figura do intérprete. Foi já no ensino médio e, depois, na faculdade, que contei com a ajuda deles em sala de aula", lembra a deficiente auditiva de 23 anos.

A trama de As mãos que rompem o silêncio mostra a jornada de um casal simples do interior em busca de inclusão para a filha, Aninha, que é deficiente auditiva. Com dificuldades para interagir e educar a menina, eles sequer imaginavam a existência da Língua Brasileira de Sinais (Libra) — reconhecida oficialmente pela Lei 10.436, de 2002. Assim, a família parte para Brasília, em busca de educação e do exercício da cidadania plena para a jovem.

"Nunca se sabe quando vai surgir um filho surdo na família", reflete Raquel, que fora dos palcos é professora de educação física e trabalha com o condicionamento dos atletas da Federação Desportiva dos Surdos. Apesar de experiências anteriores em peças da igreja, ela não nega o frio na barriga antes de subir em um dos principais palcos da capital. "Estou ansiosa, será a primeira vez ante um grande público."

Nas duas primeiras cenas da trama, um tradutor passa para o português os diálogos em Libras, assim como traduz para a língua de sinais o que é dito em português. "Depois, a tradução se incorpora ao espetáculo, faz parte dele", explica o diretor Thomaz Coelho. Dentro da proposta, atores de misturam ao público em uma tentativa de transformar o teatro em uma grande classe. Assim, a audiência tem uma verdadeira aula sobre as origens da comunicação por sinais, desde a época do Império, no século XIX, de como funciona a Libras e de que forma ela muda para melhor o cotidiano dos deficientes auditivos.

"Embora tenha um cunho pedagógico, não é uma peça somente didática, ela contempla todos os parâmetros teatrais de entretenimento", conta Coelho, que garante que o enredo possibilita ao público momentos de muita emoção, assim como muitas boas risadas. O espetáculo é resultado de uma parceria entre o Instituto Mais Mulher e a Secretaria de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos

Segundo Alexandre Castro, integrante do elenco e servidor da coordenação de Promoção de Direitos da Pessoa com Deficiência (Promodef), ligado à secretaria, abraçar o espetáculo não foi uma escolha para a pasta, mas uma necessidade. "A peça mostra o potencial que o surdo tem e aborda aspectos importantes de acessibilidade". Dos sete atores, seis são ligados à Promodef.

O enredo também tem um caráter de serviço, ao explicar como funciona a Central de Interpretação de Libras, que disponibiliza tradutores para auxiliar no atendimento presencial e on-line de deficientes auditivos em órgãos públicos. Além da importância da Central, a autora do espetáculo ressalta a importância da Escola Bilíngue, da rede pública de Brasília. "Ela é pioneira por ter sido a primeira no Brasil a ter a Libras como primeira língua, e não o português", explica Christiane Burnier, do Instituto Mais Mulher. A data escolhida para a estreia da peça, explica, é uma alusão ao Dia Nacional da Língua Brasileira de Sinais, comemorado na última sexta-feira (24)

As mãos que rompem o silêncio
Sala Plínio Marcos — Complexo Cultural Funarte, no Eixo Monumental

Segunda-feira, às 19h
Entrada Franca

Fonte: Étore Medeiros, da Agência Brasília - 26/04/2015