A ex-senadora Marina Silva tenta atrair Ayres Britto e Eliana Calmon para a disputa eleitoral em 2014

1 - A Marina Silva, a ex-senadora petista que teve quase 20 milhões de votos nas eleições de 2010, quando concorreu à Presidência da República pelo PV, dará o start para a criação de um novo partido a partir do próximo mês de fevereiro. ...

2 – Dois nomes podem aparecer como candidatos ao GDF nas eleições de 2014: o ex-ministro do STF, Ayres Britto, e a ex-corregedora do CNJ, Eliana Calmon. A ex-senadora Marina Silva vem fazendo contatos com o intuito de atraí-los para o seu novo projeto político.

3 – Marina Silva acredita que Ayres Britto e Eliana Calmon são dois nomes com forte apelo, tanto para ser o seu vice na disputa pela Presidência da República como para a sucessão do governador Agnelo Queiroz.

4 – O senador Cristovam Buarque anda muito enciumado com a ex-senadora Marina Silva. O motivo é a intenção de Marina de fundar um novo partido e disputar à Presidência da República. Cristovam vem tentando convencer Marina a disputar o GDF. Isto porque o senador sonha em disputar mais uma vez à Presidência da República.

5 – Toninho do Psol vai disputar mais uma vez o GDF nas eleições de 2014. O partido está disposto a fazer alianças, mas não abre mão da cabeça da chapa.

6 – Está crescendo muito no PDT a resistência contra o apoio à candidatura do senador Rodrigo Rollemberg (PSB) ao GDF nas eleições de 2014. Rollemberg poderá ter apoio, mas apenas de alguns setores do PDT.

7 - A crise da saúde pode apressar a troca do secretário de Saúde, Rafael Barbosa, atualmente de férias. Só que ele não deixará o GDF. O que se comenta no Buriti é que ele irá ocupar a Secretaria de Governo do GDF. Filiado ao PT, Barbosa deverá ser um dos nomes do partido para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados.

8 – A Secretaria do Governo do GDF parece ser uma espécie de “joia da coroa”. Tanto que já se formou uma fila de pretendentes ao cargo: Roberto Policarpo, presidente do PT-DF, Wilmar Lacerda, secretário de Administração, e o capitão e deputado distrital Patrício.

9 - Quem anda rezando para que o deputado distrital Patrício (PT) aceite o convite para ir para a SEDEST é o ex-administrador de Vicente Pires, Dirsomar Chaves. Alguém fez um acordo para que ele assuma uma vaga na Câmara Legislativa. Só que nada acontece.

10 – O jornalista Donny Silva vem sendo assediado por vários partidos para entrar para a política. O curioso é que o mantra dos interessados é um só: tentar montar uma oposição de verdade. Até agora Donny não disse que sim nem que não.

11 – No próximo dia 15, o Tribunal de Contas do DF deverá escolher um novo presidente, que poderá ser o decano conselheiro Manoel de Andrade. Só que o conselheiro Renato Rainha está forte na disputa e já conta com o voto do conselheiro Paulo Tadeu, que pode fazer a diferença.

12 – A estratégia é eleger o conselheiro Renato Rainha para presidência do TCDF. O objetivo é retirá-lo do dia-a-dia do tribunal. Tal medida ajudaria o GDF, pois Rainha vem sendo um feroz crítico das coisas do governo Agnelo Queiroz.

13 - Com crise na saúde ou não, Miami se tornou o point de muitos governistas endinheirados.

14 - A administração austera do hoje capitão Patrício – leia-se Câmara Legislativa - gastou algo em torno de R$ 600 mil na compra de tabletes. Alguns parlamentares não sabem sequer ligar o mimo.

15 - Os governistas da Câmara Legislativa estão ansiosos para encontrar o governador Agnelo Queiroz. Alguns querem desejar-lhe um 2013 se sucesso. Já outros querem cobrar a fatura da eleição da chapa Wasny de Roure/Agaciel Maia por unanimidade. Só falta a oposição querer a mesma coisa, pois votou no candidato de Agnelo.

16 - Tem muita gente no governo de Agnelo Queiroz com uma vontade louca de trair. Tem gente até sonhando com a cadeira de Agnelo.

17 - Uma pesquisa que está circulando na cidade mostra que alguns supostos candidatos ao Buriti não conseguem se eleger nem dentro de casa.

18 - Tem um suposto candidato ao GDF que diz com todas as letras que “dinheiro não é problema”. Quer dizer: o problema é a falta de voto.

19 - O deputado distrital Chico Leite, um dos mais votados do PT, já estaria à procura de um novo caminho. Ele pode ser mais um soldado do partido de Marina Silva, que está procurando aliados no DF.

20 - O secretário-adjunto de Saúde, Elias Miziara, vem enfrentando sozinho a crise na saúde do DF após as denúncias da falta de médicos em alguns hospitais do DF. Pessoas do GDF dizem que titular Rafael Barbosa, que está de férias, é um especialista em fugir das crises. Até quando?

 21 - O advogado paraense Antônio Amaral Júnior é o novo ouvidor da OAB/DF.

Fonte: Estação da Notícia - 11/01/2013

O ex-governador Roriz, tem mantido contatos diários com seus aliados em sua residência no Park Way, para discutir o atual quadro político do Distrito Federal.

Roriz que ainda aguarda decisão do judiciário em suas conversas deixa claro que caso seja liberado pela justiça poderá ser candidato novamente ao governo do Distrito Federal, pois mesmo com os vários ataques que sofreu nos últimos anos  teria grandes condições de voltar ao governo. Em recente pesquisa o ex-governador só esta atrás do ex-governador e seu antigo aliado José Roberto Arruda que caso não esteja impedido de disputar as eleições de 2014 já tem traçado seu caminho rumo a Câmara dos Deputados,  Roriz estaria com seu caminho livre .

Nos últimos dias o ex-governador recebeu visitas como da ex-governadora Maria  Abadia, ex-deputado Alberto Fraga , Senador Gim Argello e também de vários ex-assessores que vem mantendo contato com presidentes de partidos para fazerem a sondagem de possíveis apoios.

Segundo fonte em algumas conversas não se descarta nem mesmo a reaproximação do grupo Rorizista ao vice-governador Tadeu Filippelli atual presidente do PMDB,  para uma possível composição de chapa majoritária para 2014.

Fonte: Blog do Cafezinho

Leia mais Roriz pretende voltar em 2014

Direto ao Ponto

Fonte: Veja.com - Augusto Nunes - 10/01/2013


Leia mais... STF condena Dirceu, senhor do PT e do mensalão

Rio -  Uma enquete divulgada através do Facebook aponta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o político campeão de impunidade de 2012. Lula somava, até as 18h15 desta quarta-feira, 7.538 votos, seguido pelo senador cassado Demóstenes Torres (4.112 votos) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que tem 542 votos, apontado como um dos operadores do chamado mensalão tucano, em Minas Gerais. Os internautas podem votar na lista de 10 candidatos até o próximo dia 15.

foto

Um repasse de aproximadamente 100 mil reais, que seria do mensalão, teria sido feito a Lula para pagar "despesas pessoais". A afirmação foi feita à Procuradoria-Geral da República em setembro do ano passado pelo empresário Marcos Valério, condenado por operar o esquema.

Na primeira edição do "Troféu Algemas de Ouro", o vencedor foi o presidente do Senado, José Sarney (PMDB), seguido pelo ex-ministro José Dirceu (PT) e pela deputada federal Jaqueline Roriz (PMN). O Movimento 31 de Julho organiza e participa de manifestações contra a corrupção e a impunidade desde meados de 2011. São passeatas, comícios e também ações na Internet, realizadas em conjunto com outros grupos do Rio de Janeiro e de todo o Brasil.

Fazem parte da lista de elegíveis ainda o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral; o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) - incluído na lista "pelo conjunto da obra" e por ser fugitivo da Interpol, segundo o movimento -; a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra; o senador Jader Barbalho (PMDB-PA); o empresário Fernando Cavendish, ex-presidente da Delta, empresa envolvida no escândalo de Cachoeira; o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda; e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT).

Fonte: O DIA

Ex-presidenciável corre para criar uma legenda e apoiadores admitem que uma das possibilidades é concorrer no Distrito Federal, onde superou Dilma e Serra em 2010


Marina Silva, durante a campanha de 2010: naquele ano, a então candidata pelo PV obteve 611 mil votos no DF e quase 20 milhões em todo o país

Ainda amparada pelo capital político dos quase 20 milhões de votos obtidos na disputa presidencial de 2010, Marina Silva passará janeiro e parte de fevereiro empenhada em engrossar as fileiras do partido que pretende lançar com foco nas eleições de 2014. Ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, ela espera consolidar uma bancada de 14 parlamentares que, segundo “marineiros”, já teriam se mostrado alinhados com os planos de criação da sigla. Marina trabalha com um calendário apertado para a oficialização do partido, que terá de sair do papel até outubro para poder disputar cargos no próximo ano. Entre as possibilidades, discute-se até uma eventual candidatura ao Governo do Distrito Federal (GDF).

Na mira de Marina estão nomes como os dos deputados Alessandro Molon (PT-RJ), Reguffe (PDT-DF) e Walter Feldman (PSDB-SP). “Até fevereiro, nós devemos ter uma conversa definitiva sobre esse tema”, diz o deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ), um dos parlamentares sondados pela ex-ministra. Os senadores Randolfe Rodrigues (PSol-AP) e Cristovam Buarque (PDT-DF) também são citados por apoiadores de Marina como quadros desejados pela cúpula da futura legenda. Apesar de ainda não ter nome, o partido será pautado por temáticas ambientais e voltadas para a ética.

Fonte: Correio Braziliense

 




Marina Silva "postou em seu facebook"
Nota sobre reportagem publicada hoje no jornal Correio Braziliense

"Em razão da reportagem publicada hoje (04/01) pelo jornal Correio Braziliense sob o título “Marina espera criar partido e estuda disputar eventual candidatura no GDF”, reafirmo o que já disse em diversas ocasiões, inclusive por meio de nota à imprensa, de que não vou mudar meu domicílio eleitoral.

Respeito os eleitores de Brasília, sou grata pela confiança demonstrada nas urnas em 2010, mas nunca cogitei concorrer a um cargo público pelo Distrito Federal.

Como disse recentemente em entrevista ao Jornal da CBN, prosseguem as conversas com pessoas, grupos e movimentos sociais sobre a criação de um partido político. Essa decisão será tomada coletivamente, até o mês de fevereiro."

Marina Silva



VICE-PRESIDENTE ELEITO DA CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL  DEPUTADO AGACIEL MAIA É DESTAQUE NA COLUNA EIXO CAPITAL DAS JORNALISTAS LILIAN TAHAN E ANA MARIA CAMPOS DO JORNAL CORREIO BRAZILIENSE.

Qual será sua atribuição na vice-presidência da Câmara?

Vou trabalhar no sentido de haver maior divulgação do trabalho de todos os parlamentares. Trabalhamos muito, mas a população não tem conhecimento do que fizemos de importante nos dois últimos anos.

O senhor foi citado como candidato à presidência. Assume a vice pensando em virar presidente?

Não. Assumo pensando em ser vice. Cheguei à Câmara e havia muita desconfiança em relação a mim entre os deputados. Aos poucos, criei uma confiabilidade. Por isso, meu nome era sempre lembrado para a presidência. Mas acho muito honroso ser vice-presidente.

Pode explicar por que a desconfiança?

Cheguei com a imagem negativa, depois da crise no Senado. Houve divulgação de fatos errados sobre o meu patrimônio e minha vida. Com meu trabalho, construí uma confiabilidade entre os deputados.

O senhor foi diretor do Senado durante 14 anos. Trabalhou com muito poder no Congresso. Acha que perdeu muito ao virar deputado na Câmara Legislativa do DF?

Trabalhei com Ulysses (Guimarães), com Afonso Arinos, fui durante nove anos diretor da Gráfica do Senado e 14 anos diretor do Senado. Na Câmara Legislativa, eu me adaptei a uma realidade diferente da que vivi durante 35 anos no Congresso. Agora os temas são muito relacionados com as matérias do governo local. Estava mais conectado com as políticas nacionais. Mas me adaptei bem.

Quando mira o futuro, pensa em voltar ao Congresso?

Fiz carreira brilhante, até os atos secretos… Era elogiado por todos. Minha carreira foi totalmente desconstruída por causa daquela crise do Senado. Ninguém nunca questionou minha competência, qualificação… Mas eu tinha duas opções: reconstruir ou simplesmente desaparecer. Minha missão maior é reconstruir meu nome e trabalhar pela comunidade. Vou continuar trabalhando e o que eu vou ser no futuro só Deus sabe.

Como justifica os atos secretos?

Parte de alguns atos não haviam sido publicados. Depois foram publicados. A maioria eram atos de realocação de servidores, sem prejuízo financeiro. Todos os atos foram convalidados. Nenhum ato foi anulado e nenhuma pessoa foi demitida.

O episódio marcou sua carreira. Será sempre lembrado como o diretor dos atos secretos?

Sofro com essa história. Quero trabalhar. Agaciel não é isso. Estudou muito, se preparou. Passei 35 anos sem nenhum atestado médico. Sempre fui extremamente elogiado, mas ninguém lembrou disso na hora de me acusar. Mas é coisa do passado. Minha função agora é ser vice-presidente da Câmara Legislativa.

FONTE: COLUNA EIXO CAPITAL – ANA MARIA CAMPOS E LILIAN TAHAN/Correio Braziliense


Do Blog do Riella

Não creio que José Roberto Arruda leia este BLOG. Se ler, vai desistir de ser candidato nas eleições de 2014.

Sabem por que? Porque, se conseguir ser eleito deputado federal, o julgamento da Caixa de Pandora segue para o Supremo Tribunal Federal, onde ele será triturado mais do que José Dirceu e Genoíno.

Ficou comprovado, nesta questão do Mensalão do PT, que o chamado foro privilegiado é uma fria. Se Arruda e seus comparsas forem julgados pelo STF, não terão possibilidade de recorrer a outras instâncias. É o que ocorre com os petistas, ameaçados de prisão próxima, sem apelação.

Hoje, o processo da Caixa de Pandora está tramitando no Superior Tribunal de Justiça, porque um dos 38 reus (Domingos Lamoglia) é conselheiro do Tribunal de Contas do DF. Por isso, tem foro privilegiado, localizado nesta instância superior.

Se condenados no STJ, os pandoristas ainda poderão recorrer ao Supremo, ganhando mais alguns anos antes de serem trancafiados, antes de verem o sol quadrado.

Pode ser que, antes disso, alguns deles batam as botas, outros atinjam os 70 anos (com redução de pena, etc).

Há outro aspecto não divulgado. Se Domingos Lamoglia for cassado no TCDF (ou se renunciar), o julgamento dos 38 pandoristas cai para a Justiça Comum, a chamada primeira instância, no Tribunal de Justiça do DF. Nesse caso, há o inconveniente de ser julgado por juiz desconhecido, que pode botar para quebrar em cima do grupo, tentando ser mais radical do que o ministro Joaquim Barbosa.

O melhor para Arruda é mesmo o STJ, onde está hoje. Mas, como disse antes, ele perde a regalia se for eleito deputado. Por isso, mesmo que escape da Lei da Ficha Limpa (ou Suja) em 2014, quase certamente não será candidato. Só se for burro, ou suicida.

ARRUDA CERCADO DE PROCESSOS
O ex-governador José Roberto Arruda blefa o tempo todo e até ameaça disputar (para ganhar) eleição em Brasília, mas a situação dele é gravíssima. Além do processo da Caixa de Pandora, no Superior Tribunal de Justiça, ele tem diversos outros bastante críticos e até já foi condenado em um: o do painel do Senado.

No STJ, fechou-se neste semestre o prazo para que os 38 investigados pela Polícia Federal e pela Procuradoria Geral da República apresentassem suas defesas prévias. A expectativa é que o Superior Tribunal, no primeiro semestre de 2013, aceite a denúncia contra os acusados, abrindo perspectiva para um julgamento semelhante ao do Mensalão do PT.

Dentro do Inquérito 650 (Caixa de Pandora), a denúncia da PRG contra Arruda e outros acusados lembra muito a condenação de José Dirceu, Genoíno e outros, destacando-se expressões como corrupção ativa e lavagem de dinheiro, repetidas muitas vezes. É impressionante a carga dessa denúncia, mais forte do que a do Mensalão, pois baseada em gravações e delações premiadas.

Abrindo-se Ação Penal Pública contra Arruda e seus comparsas, teremos repercussão no nível do Mensalão do PT, recheada de imagens que ficaram famosas no mundo (até na China). Voltarão ao noticiário personagens que já recomeçam a circular com aparente naturalidade na sociedade brasiliense.

ATÉ O PAINEL DO SENADO COMPLICA
Muitos outros processos complicam a vida de José Roberto Arruda, tomando grande parte do seu tempo e levando-o a gastar verdadeiras fortunas com os melhores advogados.

O mais antigo processo é o relativo à violação do painel do Senado. Neste ele já foi condenado em primeira instância e breve poderá ser julgado por colegiado, na Justiça do DF. Quando isso ocorrer, estará inelegível, pelas regras da Lei da Ficha Limpa.

Arruda tem ainda o processo relativo aos gastos irregulares para a inauguração do Estádio Bezerrão, abrangendo o montante de R$ 8 milhões.

Fonte: blog do Riella