Gama Cidadão

Qui08282014

Last updateQui, 28 Ago 2014 9am

Portuguese Arabic English French German Japanese Spanish

DF: Hospitais de Santa Maria e Gama terão voluntárias para ajudar gestantes

Secretaria de Saúde pretende ampliar o serviço voluntário das doulas para toda a rede pública.

As doulas atuarão nos hospitais do Gama e de Santa Maria.

imgTermina neste domingo (24) o 1º curso de doula voltado para as cidades de Santa Maria e Gama. A atividade é promovida pela SES/DF (Secretaria de Saúde) em parceria com a Rede pela Humanização do Parto e Nascimento (ReHuNa) e Matriusca, organização administrada por doulas.   

— Vamos capacitar mulheres da comunidade para que elas possam auxiliar as gestantes para um parto mais humanizado, tornando esse momento uma experiência acolhedora e amorosa, afirmou a colaboradora da ReHuNa, Marilda Castro. Foto: Divulgação...

Ela explica que essas mulheres atuarão nos hospitais do Gama e de Santa Maria. As doulas servem como cuidadoras e apoiadoras físicas e emocionais das gestantes em todos os ciclos gravídicos (pré-parto, parto e pós-parto). Coordenadora da Rede Cegonha no Distrito Federal, a médica Mônica Yassanã ressaltou que o curso fortalece um novo modelo de atenção, centrado na mulher.  

— A doula chega com uma tecnologia que salva vidas e diminui a mortalidade materna. O nosso objetivo é que todas as maternidades dos hospitais da SES tenham doulas comunitárias e que todas as gestantes tenham acesso ao serviço, detalhou Mônica Yassanã.  

Etapas

O curso possui cinco etapas. A primeira foi a das inscrições, onde foram ofertadas 20 vagas para a Regional de Santa Maria e 20 para o Hospital do Gama. A segunda compõe-se de palestra e entrevista com psicólogo.  

Já a terceira etapa é de desenvolvimento do módulo teórico e vivencial, com carga horária de 80h, seguido da prática supervisionada e posterior avaliação do projeto.  

As mulheres que concluírem as aulas terão de prestar serviço voluntário de 12h nas maternidades do Gama e de Santa Maria.

Fonte: Portal R7, com Agência Brasília - 24/08/2014 - - 21:15:55

Mais de 90% estão insatisfeitos com saúde

img
Os serviços públicos e privados de saúde no Brasil são considerados regulares, ruins ou péssimos por 93% da população. É o que indica pesquisa do Instituto Datafolha feita a pedido do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Paulista de Medicina (APM). O levantamento mostra que os principais problemas enfrentados pelo setor incluem filas de espera, acesso aos serviços públicos e gestão de recursos. De acordo com o estudo, a saúde é apontada como a área de maior importância para 87% dos brasileiros. Para 57%, o tema que deve ser tratado como prioridade pelo governo federal.

A pesquisa foi feita entre os dias 3 e 10 de junho de 2014 e ouviu 2.418 homens e mulheres com idade mínima de 16 anos em todos os estados brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Informações Revista Istoé / Agência Brasil.

Fonte: Guardian Notícias

 

 

Servidores ocuparam a presidência da CAESB em Águas Claras

Funcionários reivindicam o cumprimento do último acordo firmado com a categoria

img

Os servidores da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) se reuniram no início da tarde desta quinta-feira (21), na sede do órgão, para um protesto.

Segundo informações de um funcionário, que preferiu não se identificar, os servidores da companhia estiveram em greve por 44 dias a um mês atrás. À época a CAESB levou o caso para a justiça, porém a greve foi considerada legal e não abusiva. Mesmo com o aval do judiciário, a côrte determinou que os grevistas voltassem a trabalhar imediatamente, sob pena de o sindicato arcar com a multa de 100 mil por dia, no caso de descumprimento.

O Sindicado da categoria, o Sindágua, convocou os funcionários para a manifestação em virtude do não cumprimento do último acordo entre eles reajuste salarial, de acordo com a inflação do período; pela não retirada de direitos como a gratificação por titulação, pelos anuênios previstos e por um plano de cargos.

“A Caesb afirma não ter como atender todas as reivindicações dos trabalhadores, embora continue a celebrar contratos milionários e contratando comissionados com salários médios de R$10 mil”, diz um dos servidores que aderiu à manifestação.

Aproximadamente 70 pessoas participaram do ato.

A informação da paralisação foi enviada à nossa redação por meio do Whatsapp.

Gastos de 761 milhões foram insuficiente para esconder a incompetência no BRT

img

Na manhã do último sábado, 16, aconteceu a 2ª Audiência Pública sobre o transporte coletivo do Gama, no Centro Interescolar de Línguas – (CILG) da cidade. Estiveram presentes na reunião o diretor-geral do DFTrans e gestor do Expresso DF,  Jair Tedeschi; representante do BRT, Lucio; diretor de obras da administração da cidade, sr Roque Lane; o procurador dos direitos dos cidadãos, Dr. José Valdenor Queiroz Júnior (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios - MPDFT) e vários passageiros de transporte público.

Na 1ª Audiência Pública, sobre o mesmo tema, ocorrida em julho, 115 pessoas participaram do evento. Dessas, 50 puderam manifestar seus descontentamentos sobre as mudanças realizadas no transporte. Os moradores cobram a volta de algumas linhas que foram retiradas, a renovação da frota das linhas que não fazem parte do percurso do BRT, como Taguatinga, W3 Norte/Sul, SIA/SAAN, Setor O e Corujão. Jair Tedeschi ouviu os questionamentos, reclamações, sugestões e opiniões da população, ficando incumbido de trazer resposta para os usuários do transporte coletivo do gama.

Na 2ª Audiência Pública sobre o transporte coletivo do Gama, para surpresa dos passageiros, muitas das respostas colocaram a culpa na fiscalização, que é responsabilidade da Secretaria de Transporte do GDF.

O tempo, na opinião do Jair Tedeschi, vai fazer com que tanto passageiros quanto operadores do sistema se acostumem com a operação, aumentando a eficiência. “É tudo novo, substituído um sistema de 50 anos. Por isso o período de testes tem sido tão longo”, justifica.

“Estamos fazendo um acordo com a empresa Marechal para que assuma essa linha. Enquanto a segunda etapa da obra não estiver pronta, ainda deverão circular as linhas para SIA/ SAAN e W3 Sul e Norte. E vamos trabalhar para reativar a linha L2 Sul/ Norte/ UnB”, completa o secretário.

Os problemas estão longe de terminar, como conta Ana Tavares, moradora do Gama que pegava um ônibus para W3 Sul para chegar no trabalho. “Agora, pego três ônibus; um para o terminal, o BRT e outro para o trabalho, e levo uma hora e meia. Ou mais”, diz ela, que embora insatisfeita valoriza a qualidade dos veículos. “São confortáveis, têm ar condicionado e são confiáveis, mais a demorar ainda é um problema, disse.

Apesar de reconhecerem que o conforto aumentou com o BRT, usuários se queixam das baldeações necessárias para completar a viagem, atrasos das linhas e velocidade permitida de 55 Km. O fato é que os R$ 761 milhões foram insuficientes para esconder a incompetência do governo, que esqueceu de ouvir a população antes do grandioso projeto,  alterando toda uma rotina do transporte coletivo da cidade.

img
Foto: 1ª Audiência Pública sobre o transporte coletivo do Gama


Galeria de fotos da 1ª Audiência Pública Clique Aqui!

Galeria de fotos da 2ª Audiência Pública Clique Aqui!


Vídeos da 2ª Audiência Pública sobre BRT no Gama:





 

Leia mais NOTA DE ESCLARECIMENTO

EUA: Especialistas vão investigar acidente com avião que matou Eduardo Campos

Gravador de voz da aeronave não registrou nada no dia da queda.

img

Técnicos americanos já estão no Brasil para ajudar nas investigações.

Uma equipe dos Estados Unidos vai participar da investigação da queda do jato executivo que matou o candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, quatro pessoas da equipe e dois pilotos, na quarta-feira, em Santos, litoral paulista. Os técnicos já estão no Brasil, segundo a Globo News. O grupo é formado por especialistas do National Transportation Safety Board (NTSB), a principal autoridade norte-americana de investigação de acidentes, e da Cessna Aircraft Company, o fabricante do avião. Foto:Michel Filho/14-08-2014 / Agência O Globo. ...

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão investigador da Força Aérea Brasileira (FAB), comunicou nesta sexta-feira que o gravador de voz do avião acidentado não registrou o áudio da cabine do voo que transportava Eduardo Campos.

As causas técnicas da falha do gravador ainda não foram esclarecidas pela FAB. O conteúdo que ficou gravado se refere a uma conversa durante abastecimento no solo, com os motores desligados, em local e data não identificados.

O gravador tem capacidade para registrar duas horas seguidas de sons. O equipamento começa a gravar logo que o piloto dá partida no motor, de maneira autônoma. Segundo especialistas, uma luz se acende quando o gravador não está funcionando, alertando o comandante de que o problema deve ser solucionado.

Às vezes, na manutenção, os técnicos costumam desligar o gravador, justamente para impedir que ao ligarem as baterias, conversas anteriores sejam apagadas.

A Aeronáutica explicou que o funcionamento de uma caixa-preta varia de acordo com o modelo e o fabricante. Há casos em que a caixa de voz está atrelada ao sistema de anticolisão do avião e, assim, o piloto, antes de ligar a aeronave, precisa acionar esse sistema. Dependendo também do tipo de caixa, é possível desligá-la ou não durante o voo. Se o gravador de voz tem a capacidade de registrar apenas as duas últimas horas de um voo a cada período desses o trecho anterior é apagado e substituído pelas novas conversas.

ESPECIALISTAS ESTRANHAM AUSÊNCIA DE GRAVAÇÃO

O fato de a caixa do gravador de voz não ter registrado nada do último dia 13, quando ocorreu a tragédia, causou estranheza a alguns pilotos experientes. O professor de Ciências Aeronáuticas da PUC do Rio Grande do Sul Elones Fernando Ribeiro explicou que são raros os casos de gravadores pararem de funcionar.

Apesar de o CVR (Cockpit Voice Recorder) da aeronave PR-AFA não ser um item de segurança, o comandante da aeronave não pode fazer o voo quando o equipamento não funciona.

— Se o CVR estava com defeito, o avião não podia ter decolado. A aeronave voou sem estar em conformidade com o regulamento. A fita de gravação é contínua e registra as últimas conversas de dentro da cabine de voo por uma média de duas horas, justamente para auxiliar nas investigações em caso de acidente. Se o avião fosse de uma empresa aérea convencional não teria decolado — disse o especialista.

O diretor de segurança de voo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Mateus Ghisleni, explicou que o equipamento começa a gravar logo que o piloto dá partida no motor, de maneira autônoma. Segundo ele, uma luz se acende quando o gravador não está funcionando, alertando o comandante de que o problema deve ser solucionado.

— Todas as conversas dos pilotos são gravadas normalmente. O comandante perceberia o problema. O não funcionamento do CVR não impede o voo. A falta da gravação também não prejudica os investigadores do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) a chegarem às razões do acidente. Há uma série de fatores, de acordo com a metodologia da investigação empregada pela equipe, que define as causas — explicou Ghisleni.

Fonte: O Globo, com Jornal da Globo - 16/08/2014 - - 11:37:23

Esgoto a céu aberto irrita moradores da Santa Maria

Moradores afirma que reclamações já foram levadas a CAESB

img

Mau cheiro, poluição e acúmulo de dejeto, rato morto e imundície. ...

O esgoto a céu aberto irritam moradores e comerciantes da Santa Maria norte na quadra CL 116 conjunto G.

Além das dificuldades em transitar pela rua, o mau cheiro incomoda até mesmo dentro do comercio. “Chega ao ponto de incomodar os clientes, tem hora que prefiro ficar fora adentro do escritório. Lá dentro o cheiro fica insuportável”, afirmou Camilla.

Segundo os moradores, já foram feitas várias ligações para o órgão responsável CAESB, e até o momento não tomaram nenhuma providência sobre o caso

A equipe do Gama Cidadão identificou que o sistema de drenagem estão entupidos fazendo que o esgoto se alastre no fundo da comercial da CL 116.

A  CAESB órgão irresponsável pelo esgoto não tem olfato?

img

img
Foto: Esgoto corre a céu aberto na Santa Maria norte

 

Buraco! Perigo! Isso é no Gama

Verdadeira armadilha para motoristas. É na pista da Avenida Contorno do Setor Leste do Gama, altura da Entrequadra 48/49. Buraco profundo, e pior, boa parte ao redor da entrada do buraco está sem sustentação abaixo do asfalto. É o que poderia se chamar de 'asfaltos suspensos do GDF'. Um veículo mais pesado e...'crash'. Desaba asfalto e veículo dentro do buraco. Será a bagaceira. Ainda bem que moradores 'sinalizaram' o perigo. Já que o governo não conserta, e nem sinaliza, tome pedaços de paus e tecido TNT, talvez restos de alguma bandeira da Copa da Fifa. Pelo menos para isso serviu.

img  img

Fonte: Blog Gama Livre - Quinta, 14 de agosto de 2014

Parque Prainha do Gama será revitalizado

Prainha do Gama

Após muitos anos abandonado e servindo como ponto de encontro para usuários de drogas e criminosos da região do Gama e de Santa Maria, o Parque Prainha do Gama passará por melhorias. Um pacote de obras lançado pelo GDF prevê a revitalização da área e a reforma em vários pontos recreativos. As obras devem custar R$ 3,5 milhões.

O edital para a licitação da empresa que será a responsável pela obra foi lançado no Diário Oficial do DF (DODF), na edição da quarta, 13. O Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibram) administra o parque e acompanhará de perto a execução do trabalho.

O pacote de obras prevê a reforma da piscina - incluindo vestiários e a lanchonete que será reativada -, da sede administrativa e dos banheiros. Dentro das novidades, os frequentadores terão uma pista de caminhada, equipamentos de ginástica e um playground para as crianças.

A segurança nos arredores do parque será reforçada para evitar a presença de criminosos e usuários de drogas, além de dar mais conforto aos visitantes. A entrada será revitalizada e contará com guaritas de segurança.

A revitalização será feita com recursos próprios do governo e será licitada pela Secretaria do Meio ambiente. A licitação está prevista para setembro. O prazo para execução dos serviços é de até sete meses a contar da data de assinatura do contrato. Após a reforma, a expectativa é que a reserva ecológica seja bem frequentada e receba, em média, duas mil pessoas nos fins de semana.

Prainha

Fotos do Paulo Tavares Clique Aqui!

Fotos do Leandro Salles Clique Aqui!

Fotos da Prainha há 30 anos atrás Clique Aqui!


SAIBA COMO TUDO COMEÇOU

No dia mundial da água Ambev apresenta os resultados do projeto bacias e é feito plantio de árvores

Ambev comunica resultados de projeto ambiental no Gama este sábado

Parque ecológico do Gama, um problema grave na região

Ação socioambiental do Projeto Bacias colabora na conservação do Cerrado

Curso de formação apresenta soluções para as necessidades de habitação no Distrito Federal

Revitalização da Prainha, no Gama, agora é realidade

Audiência Pública sobre o Parque Recreativo do Gama (Prainha).

FORUM DA COMUNIDADE DO SETOR SUL DO GAMA (FOCO GAMA SUL)

CONFERÊNCIA DISTRITAL DAS CIDADES EXTRAORDINÁRIA

Morte de Campos muda quadro sucessório: agora Marina é favorita e Dilma pode não chegar ao 2º turno

Do Blog Náufrago da Utopia -  quarta-feira, 13 de agosto de 2014
Por Celso Lungaretti

img
Destino insólito: Campos e Arraes mortos num 13 de agosto.

Quando a campanha presidencial de 2014 se augurava a mais tediosa e enlameada desde a redemocratização, eis que o Sobrenatural de Almeida, reconhecendo que é impossível desviar o futebol brasileiro de sua marcha para o fundo do poço, resolveu trocar o foco, dando o ar de sua graça na política: com a morte inesperada de Eduardo Campos (PSB), logo no cabalístico 13 de agosto (!), a corrida sucessória virou de pernas pro ar.
 
De imediato, Marina Silva (PSB) passou a ser a favorita para vencer a disputa que, provavelmente, travará com Aécio Neves (PSDB) no 2º turno. E a candidatura de Dilma Rousseff (PT), que já vinha  mal das pernas em função (principalmente) do desempenho pífio da economia brasileira, pode ter recebido nesta 4ª feira o golpe de misericórdia.
Até agora, os que estavam no páreo pra valer eram a ex-guerrilheira que se tornou tecnoburocrata, o neto do raposão conservador e o neto do grande socialista. Dilma levava a vantagem de ser personagem histórica por mérito próprio e, entre três atores políticos com ínfimo carisma, tendia a ser reeleita porque o poder atrai o poder, na razão direta das ambições e na razão inversa da integridade.

img
Marina Silva: as tragédias moram ao lado...

A candidatura de Marina era, potencialmente, a mais perigosa para o situacionismo, tanto que um grande esforço de bastidores foi feito para que ela saísse da disputa. Para o bem da democracia, outra porta se abriu. Pena que isto se deva a uma tragédia, algo que sempre temos de lamentar. Mas, confirmou-se de novo que quem age de má fé acaba dando tiros pela culatra. Ao invés de ser neutralizada, Marina está mais forte do que nunca.
Com ela no lugar de Campos, Dilma não levará vantagem nenhuma em ser mulher, vai perder de goleada na comparação de quem tem mais a cara e o jeitão do povo sofrido (e, portanto, maior afinidade com o perfil dos primórdios petistas - a trajetória dela lembra a do Lula) e tende a ser esmagada nos debates, pois a decoreba dos marqueteiros de nada servirá contra a autenticidade e espontaneidade messiânicas da companheira de lutas do Chico Mendes.
No tabuleiro político, a quase nenhuma ênfase de Campos no ideário socialista do avô, preferindo defender um capitalismo mitigado, o deixava bem mais próximo de Aécio que de Dilma. Como consequência, os dois netinhos correriam na mesma faixa, tentando, ao mesmo tempo, evitar que a petista ganhasse no 1º turno e obter uma vaga no 2º, contra Dilma, que se apresentaria como a candidata popular, perseguida pelos ricos e pelo Santander, etc. e tal.
Marina, pelo contrário, não disputará espaço com Aécio, que ficará com todo o eleitorado conservador e direitista para si, mas sim com Dilma: o mapa da mina, para ela, será provar que é mais popular, mais antagônica ao grande capital, melhor defensora do meio ambiente, mais inaceitável para a elite branca e mais fiel aos ideais históricos petistas do que a própria Dilma. Acredito que o conseguirá com um pé nas costas, daí a minha previsão de um 2º turno entre (centro) direita e (centro) esquerda, ou seja, entre Aécio e Marina.

img
Morte de Campos caiu como um raio sobre ambos

E, claro, sem todo o desgaste acumulado pelo petismo em seus três mandatos presidenciais, e levando em conta que o eleitorado de direita é aproximadamente metade do de esquerda, Marina só não levaria se o avião dela também caísse.
O perigo, claro, seria chegar ao poder como uma estatura bem maior do que as forças políticas que a estariam apoiando, com óbvios riscos de turbulência institucional (dependendo de como lidasse com um Congresso mui provavelmente adverso). Duas vezes, com Jânio Quadros e com Fernando Collor,tal quadro se revelou funesto.
Mas, temos de levar em conta também que o esgotamento do modelo petista está levando a insatisfação popular perigosamente para as ruas, de forma que os riscos existem igualmente com a permanência da atual pasmaceira desesperançada. Entre um salto no escuro e a decadência inexorável, é sempre preferível o primeiro, que pelo menos nos dá oportunidade de lutarmos para a construção de um presente melhor.
O eleitorado, evidentemente, não equaciona o problema da mesma maneira, mas se mostra visivelmente saturado. Os ventos de mudança começam a soprar e até Deus os parece estar bafejando...

 

 

Acidente: Eduardo Campos morre após acidente aéreo em Santos

Jato que estava o presidenciável caiu em aérea residencial no litoral paulista.

img

O presidenciável Eduardo Campos (PSB-PE ) morreu na manhã desta quarta-feira após sofrer um acidente aéreo em Santos. O jato em que estava o político iria para um compromisso em evento na cidade de Santos chamado SantosExport. A aeronave em que viajava do Rio para Guarujá perdeu contato com controle aéreo. Segundo o candidato do PSB no DF, Rodrigo Rollemberg, a direção do partido o informou que os passageiros a bordo do avião que caiu eram: Eduardo Campos, sua esposa Renata, o filho Miguel, os assessores Pedro Valadares, Carlos Percol e um cinegrafista ainda não identificado...

O avião, um Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA, deixou o aeroporto do Santos Dumont às 9h20m com destino a Santos.

Carlos Siqueira, primeiro secretário do PSB, disse que Campos estava a bordo do avião que caiu

O ex-deputado Walter Feldman, que está ao lado de Marina Silva em São Paulo, disse logo depois do acidente ter conversado com o deputado Márcio França, que recepcionaria Campos em Santos. França confirmou para o aliado que a aeronave que caiu tinha o prefixo da alugada pela campanha de Campos:

- Márcio França ligou e disse ter confirmado que o prefixo do avião é o mesmo de Campos. Mas temos que aguardar _ explicou o ex-deputado.

Aliados de Marina Silva estão apreensivos porque a companhia aérea que fretou o avião não consegue contato com o piloto.

Em seu gabinete no Tribunal de Contas da União, a ministra Ana Arraes, mãe de Eduardo Campos, ao ser informada dos rumores sobre a queda do avião em Santos, caiu no choro. Mas assessores informam que não há informação que confirmem que o candidato do PSB estava na aeronave.

O Corpo de Bombeiros confirmou a queda, que ocorreu na altura do número 136 Rua Alexandre Herculano, esquina com Rua Vahia de Abreu, nas imediações do Canal 3, a cerca de sete quadras da praia. Logo após a queda, a primeira informação era a de que se tratava de um helicóptero. Sete pessoas ficaram feridas e pelo menos três imóveis foram atingidos.

A sala de imprensa do Corpo de Bombeiros informou que sete vítimas foram socorridas em hospitais da região, mas ainda não há informações se elas eram ocupantes da aeronave ou moradores dos imóveis atingidos. O Pronto-Socorro Municipal de Santos confirmou que há quatro feridos internados na unidade.

A queda ocorreu pouco depois das 10h. A poucos metros do local do acidente funcionam uma escola infantil e uma academia de ginástica. A região tem casas e comércios.

O Comando da Aeronáutica informou, por nota, que o avião, modelo Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, caiu às 10h.

“A aeronave decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao aeroporto de Guarujá (SP). Quando se preparava para pouso, o avião arremeteu devido ao mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com a aeronave”, diz nota da Aeronáutica.

A Aeronáutica investiga as causas do acidente.

O local onde ocorreu a queda é bastante movimentado. Testemunhas relatam que ouviram barulho de uma explosão. O quarteirão foi isolado pela Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e equipes de resgate. Com o estrondo na hora da queda, vidraças de lojas quebraram-se.

Fonte: O GLOBO - 13/08/2014 - - 13:05:37

Terminal do VLP no Gama recebe o nome de Padre Natale Battezzi

img

O Projeto de Lei 1.933/2014, do deputado Agaciel Maia, que dá o nome do Padre Natale Battezzi ao Terminal do Gama do Veículo Leve Sobre Pneus (VLP). Foi sancionada nesta terça-feira LEI Nº 5.387, DE 12 DE AGOSTO DE 2014. Denomina Padre Natale Battezzi o terminal do Veículo Leve sobre Pneus - VLP.

Padre Natale Battezi, de nacionalidade italiana, faleceu no início de abril. Dedicou 50 anos de sua vida ao sacerdócio e durante muitos anos foi pároco da Paróquia São Sebastião, na cidade do Gama. De espírito agregador, sua principal marca foram as ações em favor das crianças. Ajudou a fundar a Associação das Obras de São Sebastião, a Creche Nossa Senhora do Carmo, no Setor Leste, a Creche Sagrada Família e a Escola Maria Mãe da Providência, sempre em benefício das crianças e da família.

img

“É uma justa homenagem, a esse sacerdote que tanto tempo de sua vida dedico em favor do outro”, justificou o deputado Agaciel Maia.

Da redação

 

 

Fabricante confirma contaminação em lote de Toddynho

Segundo a Pepsico, um total de 8 mil unidades deverão ser recolhidas

img

A Pepsico, fabricante do achocolato Toddynho, informou que um lote com 8 mil unidades da bebida foi contaminada e podem ter gosto azedo e causar desconforto abdominal.

Segundo a empresa, as unidades com marcações GRY L15 51 (intervalo de 23h04 a 23h46), fabricados em 6 de junho de 2014 e com validade de 29 de novembro de 2014m estão impróprias para o consumo e serão recolhidas.

O produto foi distribuído, em sua maioria, na região metropolitana de Porto Alegre (RS). A companhia informou que um problema durante o processo de descarte de produtos que estavam fora da especificação teria causado a contaminaçã bacteriológica.

Consumidores podem entrar em contato com a empresa pelo telefone 0800 703 2222, das 8h às 20h ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Fonte: Jornal de Brasília - 12/08/2014 18:14

Regulamentação: O lixo no quintal

img

Um país sem lixões, em que a coleta seletiva é amplamente realizada nas cidades e as organizações de catadores de materiais recicláveis estão inseridas de forma justa e efetiva nos processos de limpeza urbana e reciclagem dos municípios.  Que visão esplendorosa! Assim deveria ser o Brasil desde o dia 2 de agosto de 2014.

Quatro anos após a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) pela Lei no 12.305/10, ainda estamos longe de cumprir as metas que garantiriam aos cidadãos o destino adequado do lixo e a dignidade para quem vive dos rejeitos da sociedade. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) apontam que 59,6% das cidades brasileiras não contam com locais ambientalmente adequados para a destinação final de seus resíduos sólidos...

Enquanto isso, o lixo entope os rios, invade o mar, entranha-se nos mangues e florestas, avoluma-se a céu aberto, contaminando os lençóis freáticos, gerando um cenário desolador de ratos, gente e urubus. O lixo está bem no nosso quintal. É só ir até à janela e dar uma espiada.

E isso vale inclusive para quem ocupa uma cadeira na Esplanada dos Ministérios ou na Praça dos Três Poderes, em Brasília. A capital do país, patrimônio cultural da humanidade, cidade moderna e planejada, é um exemplo dessa triste realidade.

Ainda hoje, de forma irresponsável, destinam-se os resíduos de cerca de 2,5 milhões de habitantes da capital para o maior lixão da América Latina, com 196 hectares (mais ou menos 196 campos de futebol), localizado a menos de 15 quilômetros do Congresso Nacional e ao lado do Parque Nacional de Brasília, uma unidade de conservação que – pela lei também, deveria ter em seu entorno um cinturão protetivo, jamais um depósito de lixo.

O lixão da Estrutural – como é conhecido – é um dos 2.507 lixões que ainda existem no Brasil. Somente 2.202 municípios, de um total de 5.564, cumpriram a meta de resolver esse problema.

Sejamos práticos. Com o fim do prazo para eliminar os lixões, as prefeituras ficam sujeitas ao pagamento de multa por cometerem crimes ambientais. Uma Medida Provisória (MP) está pronta para entrar na pauta de votações para adiar o prazo por mais oito anos. Quem aposta? Afinal, estamos em plena campanha eleitoral e a política cede lugar à busca pelo poder.

Mais prudente seria olhar com seriedade para os municípios de pequeno porte – 90% dos municípios brasileiros – que não dispõem de capacidade técnica instalada e arrecadação dimensionada para cumprir a lei e tentar legislar sobre isso. E mais ainda. Elaborar uma forma inteligente de mudar a mentalidade do atraso com iniciativas transformadoras.

O WWF-Brasil, por meio da participação no Programa Água Brasil, tem realizado ações para apoio e implantação da Politica Nacional de Resíduos Sólidos em cinco municípios brasileiros: Belo Horizonte (MG), Natal (RN), Caxias do Sul (RS), Rio Branco (AC)e Pirenópolis (GO).

A proposta é constituir experiências bem-sucedidas e replicáveis, que ajudem a sustentar a implantação dos dispositivos da PNRS. Ao todo, são 17 cooperativas e associações envolvidas e mais mil catadores de materiais recicláveis contemplados.

Mesmo com os esforços da sociedade civil, a necessidade de adequar-se aos dispositivos previstos na lei ainda é vista por grande parte dos gestores como um fardo, uma atribuição extra e onerosa, e não como uma oportunidade de promover mudanças estruturantes, capaz de gerar trabalho, renda, qualidade de vida e conservação ambiental.

A implantação de aterros sanitários é uma iniciativa dispendiosa, principalmente quando pensamos no arranjo necessário para universalizar o serviço para os 5.570 municípios brasileiros. Para um aterro sanitário ser economicamente viável, precisa receber um volume a partir de 300 toneladas por dia, o que seria o montante gerado por uma população de 300 mil pessoas. Assim, é preciso que as esferas federal, estaduais e municipais se alinhem para promover o acesso às diversas fontes de recursos existentes. Já existem, hoje, consórcios intermunicipais fundamentados pela Lei 11.107/2005, não é preciso inventar nada novo.

É importante desconstruir o modelo atual e investir massivamente na implantação da coleta seletiva, na inclusão socioprodutiva dos catadores de materiais recicláveis, na efetiva implementação dos aterros sanitários e, em especial, na capacitação dos técnicos e gestores envolvidos.

Nesse cenário de atraso na implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, a chegada da indústria de incineração de resíduos, uma tecnologia em decadência no cenário norte-americano e europeu, surge como uma possibilidade prática e sedutora. 

Aproveitando-se da crise energética vivida pelo país, o segmento aproxima-se de forma perigosa de nossos gestores para vender a ilusão de que a queima dos resíduos representa uma saída viável para a geração de energia, quando na verdade, além da baixa eficiência energética, esse modelo é altamente poluidor e não promove benefícios sociais.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o valor dos resíduos recicláveis enterrados nos lixões brasileiros por falta de coleta seletiva chega a R$ 8 bilhões ao ano. Há quem fale em números ainda maiores. É uma ideia absurda queimar toda essa riqueza, que poderia gerar trabalho e renda para centenas de milhares de catadores de materiais recicláveis e que vivem em situação de alta vulnerabilidade social. Adicionalmente, sabemos que nosso planeta é finito que nosso consumo tem crescido sem considerar estes limites. Nossas demandas por recursos naturais dobraram desde a década de 60 e não podemos mais ver o lixo da mesma forma nos dias atuais.

Quatro anos já se foram desde a promulgação da Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos e a sociedade brasileira aguarda uma resposta firme para a implantação de uma Política tão acertada e promissora como a PNRS. Aceitar o discurso de que “temos recursos, mas não temos projetos”, é impensável no século XXI. Em especial quando existem soluções conhecidas, testadas e que podem ser disseminadas Brasil afora. É só querer, de verdade!

Esperamos que aquele cenário previsto em lei não seja uma eterna miragem a que estaremos eternamente condenados. E que nasça o dia em que possamos ir até o quintal e ver as árvores crescendo, as nossas fontes limpas e as pessoas felizes em um ambiente saudável.

*Maria Cecília Wey de Brito é secretária-geral do WWF-Brasil. Mestre em Ciência Ambiental e graduada em Engenheira Agrônoma pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (USP). Gustavo Nogueira Lemos é coordenador do Programa Educação para Sociedades Sustentáveis do WWF-Brasil e líder do eixo Cidades Sustentáveis do Programa Água Brasil. Formado em Engenharia Florestal pela Universidade de Brasília - UnB, atua na área de educação ambiental há 12 anos, com ênfase em gestão de resíduos sólidos, mobilização social e agroecologia.

Fonte: Por MARIA CECÍLIA WEY DE BRITO E GUSTAVO NOGUEIRA LEMOS*, blog do Planeta - 12/08/2014 - - 08:27:41