Acusado de fazer escutas no Buriti é exonerado da Casa Civil

O delegado Miguel Lucena, diretor de Análise e Projetos da Casa Civil do Governo do Distrito Federal foi exonerado, nesta terça-feira 28, pelo governador Rodrigo Rollemberg em atendimento aos pedidos de um grupo de deputados distritais. O motivo decorre sobre o vazamento de um áudio nas redes sociais onde eles apareciam pedindo o loteamento do governo. Lucena era o braço forte do ex-secretário da Casa Civil, Helio Doyle, que também deixou o governo diante das pressões recebidas em tono do mesmo caso.

Além de Miguel Lucena, aparecem na mesma folha do Diário Oficial de ontem como exonerados outros dois servidores da Casa Civil: o delegado de policia Alexandre Traback e o agente Cidiney Santana Sousa.

Nos últimos 20 dias, o governador Rodrigo Rollemberg caiu em si de que ninguém chega ao poder sozinho e que é humanamente impossível governar sem o apoio do legislativo, principalmente no momento de crise financeira e da falta de gestão que passa o GDF.

Ele resolveu aproveitar esse período do recesso parlamentar para estreitar as relações e afinar a viola com os 24 deputados da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

O fosso entre o legislativo e o Buriti foi aberto desde o dia em que áudios gravados durante uma reunião de deputados distritais com o governador no Buriti e divulgados na internet mostravam parlamentares fazendo suposta cobranças de cargos na administração pública. Nas gravações, os deputados falam em “repartir o bolo por igual” e questionam a inexistência de “secretários deputados”.

Entre o grupo de distritais estava à deputada e presidente da CLDF, Celina LEAO (PDT). Os distritais chegaram a protocolar o pedido para instalação da CPI, em um requerimento com 22 assinaturas. Eles se irritaram com a divulgação, por um perfil falso no Facebook, de áudios gravados na reunião. O caso levou Celina Leão romper com o governo e pedir a cabeça do ex-secretário da Casa Civil, Helio Doyle por causa da arapongagem.

Doyle saiu, mas ficaram os anéis, segundo a concepção dos deputados sobre os operadores do esquema de escuta dentro de uma sala da Casa Civil, dividida apenas por uma parede com o gabinete do governador no Palácio do Buriti.

Miguel Lucena sempre negou que tenha feito os áudios da reunião entre Rollemberg e os deputados ou que a sua função na Casa Civil imposta por Helio Doyle era a de monitorar a imprensa, em especial os blogs que gozam de mais liberdade de expressão e que incomodam bastante o Governo.

Lucena é pós-graduado em Inteligência Estratégica, e diz que sua função é diferente de fazer espionagem: “Inteligência Estratégica trabalha produzindo conhecimento a partir de informações disponíveis para tomada de melhor decisão, enquanto espionagem é a busca de dados negados, protegidos ou escondidos” concluiu. No governo de Agnelo Queiroz, Lucena ocupou vários cargos de relevo como a presidência da Codeplan.

Fonte: Radar Condomínios / Blog Donny Silva – 29/07/2015 09:35