Agnelo tenta estancar apagão com investimento de R$ 9,5 milhões na subestação do Gama

Governador Agnelo Queiroz inaugura a reforma e ampliação da Subestação do Gama, junto com o administrador Marcio Palhares.

Reformada, subestação vai aliviar rede elétrica no Gama

Autor(es): SHEILA OLIVEIRA
Correio Braziliense – 21/12/2012

Com intuito de melhorar a capacidade de fornecimento de energia elétrica em todo o Distrito Federal, o governador Agnelo Queiroz entregou ontem a obra de reforma da subestação do Gama. A unidade ampliará a capacidade da rede de 34,5 Kilovolt (KV) para 138 KV e reduzirá o carregamento da subestação Brasília Sul (Furnas). A nova estrutura do Gama, que custou
R$ 9,5 milhões, deverá atender também a demanda consumidora de Taguatinga.

Segundo Agnelo, a reforma da subestação garantirá mais eficiência e qualidade na distribuição de energia para a cidade. “Essas melhorias na infraestrutura do sistema elétrico têm como intuito dar maior segurança para a população, além de contribuir para o desenvolvimento econômico da região, beneficiando as empresas que estão instaladas aqui e também as que virão”, disse o governador. Na última terça-feira, moradores da Ponte Alta Norte do Gama ficaram sem energia durante a manhã e a tarde após a chuva que caiu na região no dia anterior. A CEB informou que a interrupção do fornecimento ocorreu devido à tempestade e à força do vento, além da queda de galhos de árvores nos fios da rede de distribuição.

O presidente em exercício da CEB, Mauro Martinelli, afirmou que a subestação do Gama está apta a receber energia das usinas hidroelétricas de Corumbá III e IV. “As atividades da subestação do Gama contribuirão para desafogar o sistema do DF”, garantiu. Na próxima semana, o GDF deverá inaugurar outra  linha de distribuição da CEB que liga Santa Maria ao Mangueiral e o terceiro transformador de Águas Claras, a um custo total de R$ 4 milhões.

“Esses investimentos devem ampliar em 35% da capacidade da rede do DF”, explicou o presidente em exercício. Para 2013, está prevista a conclusão de mais quatro subestações e cinco linhas de distribuição e a ampliação e adequação de cinco subestações. A CEB tem hoje 18 obras em andamento, com investimento total no valor de cerca de R$ 157 milhões.

Apagões

Apesar da expansão da rede elétrica do DF, a CEB admite que a capital não está livre dos apagões. “Não podemos garantir que, com a ampliação da estrutura do sistema elétrico, as quedas de energia sejam extintas. Infelizmente, esse problema não vai acabar do dia para noite, mas estamos trabalhando e reunindo esforços para que haja uma melhora significativa na distribuição de energia no DF”, afirmou Mauro Martinelli.

Segundo ele, a companhia voltará a ter o melhor sistema do país até 2014. “Estamos antecipando todos os investimentos na estrutura da rede que estavam previstos para até 2020 no intuito de recuperar o prestígio da CEB com os consumidores”, disse o presidente. Em 1999, a CEB ocupava o primeiro lugar no ranking das empresas de energia das regiões Centro-Oeste e Norte e estava entre as 10 melhores do país nos quesitos qualidade e prestação de serviços. No entanto, um estudo divulgado recentemente pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aponta que a CEB foi a sétima pior concessionária de energia do país no ano passado.

Sem luz

O ranking das concessionárias de energia foi elaborado a partir de indicadores da qualidade na prestação do serviço, que incluem o tempo e a frequência que o consumidor ficou sem luz entre janeiro e dezembro do ano passado. O estudo avaliou o desempenho das 63 empresas do setor de energia elétrica e foi dividido em dois grupos: o das grandes companhias e o das pequenas distribuidoras. A CEB ficou em 27º lugar entre as 33 empresas avaliadas no primeiro grupo.

Fonte: Correio Braziliense – 21/12/2012