Desde cedo, palavras!

Com trabalho nas escolas, oficinas e brincadeiras, a Flipiri se firma como relevante evento para jovens leitores

Mariana Vieira – Enviada especial

Projeções das ilustrações de Todd Parr no teatro municipal de Pirenópolis (Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )  
Projeções das ilustrações de Todd Parr no teatro municipal de Pirenópolis

 

Todd Parr, ilustrador americano sobre Pirenópolis:  
Todd Parr, ilustrador americano sobre Pirenópolis: “Adorei esta cidade”

Pirenópolis — Fli-pi-ri. A palavra que saltita boca, boa de falar, quase como uma onomatopeia, foi repetida diversas vezes pelas crianças durante os três dias de programação da 6ª edição da Festa Literária de Pirenópolis, realizada no centro histórico de Pirenópolis (GO), no último fim de semana. Mas o trabalho começou bem antes. “Nosso projeto se inicia com a preparação nas escolas”, explica Iris Borges, idealizadora do evento. O pontapé da feira é a Flipiri Itinerância, em que autores visitaram 22 unidades de ensino do município, alcançando cerca de 5,6 mil alunos.

Um mês antes da Flipiri, as escolas da cidade e de comunidades próximas recebem doação de títulos relacionados às atividades da festa. Esses livros passam a fazer parte das bibliotecas. “É nítida a evolução do evento nesses anos e, principalmente, o envolvimento da comunidade”, assegura Tino Freitas, um dos escritores participantes das visitas aos colégios da cidade.

Ignácio de Loyola Brandão, autor homenageado nesta edição da Flipiri, participou do evento pela quarta vez e aprova a proposta. “Todo escritor deveria vir aqui. As pessoas ainda não se deram conta do efeito e do poder da Flipiri no que diz respeito ao incentivo à leitura”, afirma.

Ilustrações

Este ano, uma das principais atrações foi o ilustrador norte-americano Todd Parr. Em visita ao Brasil pela primeira vez, ele recebeu a chave da cidade das mãos do prefeito, Nivaldo Melo. “Adorei o país, o único problema é que quero ficar por aqui”, afirmou o ilustrador. Os desenhos do autor de livros infantis foram projetados no Teatro Municipal de Pirenópolis, alegrando as noites da festa literária.

Todd abriu o 2º Encontro de Ilustradores da Flipiri e ministrou oficina de desenhos para adultos e crianças atentos, com direito à tradução simultânea feita pelo poeta Nicolas Behr. “Qualquer um pode desenhar”, garantiu o ilustrador — que tem no currículo mais de 40 livros publicados. Hoje, Todd Parr fará uma palestra em Brasília, no auditório da Escola Americana, a partir das 19h, com entrada franca.

O romancista Ignácio de Loyola Brandão foi homenageado e participou da Flipiri pela quarta vez  
O romancista Ignácio de Loyola Brandão foi homenageado e participou da Flipiri pela quarta vez

Contos e mitos

Dad Squarisi, editora de Opinião do Correio, participou da Flipiri pela sexta vez. “Acompanho desde o início. Pirenópolis não era uma cidade de leitores, apesar de ser uma cidade artística. É bom ver que isso mudou”, avalia. Dad participou de um bate-papo seguido por sessão de autógrafos de seu livro Viagem à Grécia e ao mundo das fábulas.

“Os mitos falam muito sobre nós, é por isso que todo mundo gosta de mitologia”, analisa. No evento, o público infantil conheceu a origem de expressões como calcanhar de aquiles e voto de Minerva. Sobre as atividades da Feira, Dad acredita que elas agradam igualmente a pais e filhos, “que acabam embarcando nessa viagem que é a literatura”.

A repórter viajou a convite da organização do evento

22
Número de escolas visitadas no município

5 Mil
Estimativa de crianças que participaram da Flipiri Itinerância

Correio Braziliense – 06-05-2014

Tags

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios