Edital da Polícia Rodoviária Federal deve sair a qualquer momento

O edital do concurso da Polícia Rodoviária Federal deve sair a qualquer momento. A banca escolhida para organização do certame é o Cebraspe. Serão 500 vagas imediatas, para o cargo de Policial Rodoviário Federal, com remuneração inicial de R$ 9.899,88 mil.

O professor de Legislação Penal Especial Fernando Cocito, do IMP Concursos, avalia o certame como um dos mais aguardados do ano. “É um concurso muito procurado, pelo número de vagas, pela remuneração e pelo momento que o país vive de repressão ao crime”.

Com o edital cada vez mais próximo, ele indica a melhor forma de programar os estudos. “A prioridade, agora, são as matérias de conhecimentos básicos. O momento é de dedicação às matérias que mais incomodam o concurseiro padrão: informática, matemática, ética e física”. Uma das dicas do professor é que o aluno conheça bem o Código de Trânsito Brasileiro (Lei n.o 9.503/1997).

Entre as possíveis novidades que a prova pode trazer, o professor aposta na Lei nº 12.850/13, que trata da repressão às organizações criminosas. “O aluno deve conhecer as novas metodologias de enfrentamento ao crime organizado, como a infiltração de agentes e os acordos de colaboração premiada, que devem ser cobrados”, aconselha.

Devido ao déficit de servidores, existe a possibilidade de nomeação além do número de vagas imediatas, durante a validade do concurso. Hoje existem 3.029 cargos vagos. O cargo de Policial Rodoviário Federal exige nível superior com formação em qualquer área, CNH na categoria B, no mínimo, e idade mínima de 18 anos.

Carreira

A Polícia Rodoviária Federal está presente em todo o território nacional. É um órgão do Ministério da Justiça e faz parte do Poder Executivo Federal. Apesar de ser uma polícia ostensiva, uniformizada, não é militarizada, ou seja, não se submete à hierarquia militar.

A principal função da PRF é realizar a fiscalização e o policiamento ostensivo das rodovias federais, mais conhecidas como BRs, e áreas de interesse da União. Alguns dos crimes combatidos pela PRF nas rodovias federais são: tráfico de drogas, armas e pessoas, contrabando e descaminho, crimes ambientais, roubo e furtos de veículos e cargas, exploração sexual de crianças e adolescentes, entre outros.

Existem duas carreiras efetivas: a de policial rodoviário federal e a de agente administrativo. Os policiais rodoviários federais trabalham executando as atividades fim da PRF, como planejamento de operações, fiscalizações de trânsito, combate à criminalidade. Já os agentes administrativos realizam as atividades meio, que permitem a execução das atividades fim, como pagamento de folha dos servidores, confecções de documentos, movimentação de processos.

O plano de carreira inclui progressões anuais ou a cada 18 meses, dependendo do desempenho do profissional. Hoje, existem quatro classes dentro carreira de Policial Rodoviário Federal: terceira, segunda, primeira e especial. As progressões podem ser horizontais, quando acontecem dentro da mesma classe, e verticais, quando há mudança de classe. O ápice da carreira pode ser alcançado em 20 anos. O salário no último nível chega a R$ 16.552,34.