Está explicado!: Dilma não respeita Julian Assange e Edward Snowden

A viagem aos Estados Unidos e as ‘explicações’ sobre o colaborador premiado Ricardo Pessoa (UTC)

Tá certo que a presidente Dilma enrola muito, ou é enrolada, na maioria das suas frases. Mas lá na Terra do Tio Sam ela foi cristalina. Isso, ao declarar à imprensa que não respeita delatores, quando se referiu ao colaborador premiado Ricardo Pessoa, da UTC/Petrolão.

A presidente permitiu que inferíssemos que o desprezo… do governo brasileiro ao pedido de asilo político feito por Edward Snowden (que denunciou a espionagem americana, inclusive contra ela e a Petrobras) é porque o considera um delator. E muitos achavam que era por medo ou apenas para agradar os nossos amigos da América do Norte.

Mas se é confusa em externar suas posições, e mais confusa ainda em construir seu discurso, não parece que nos Estados Unidos isto tenha ocorrido. Foi, sua explicação, certamente fruto da peninha de algum marqueteiro.

Ela, a presidente, confundiu, de modo proposital, alhos com bugalhos. Resistência à uma ditadura com crimes de corrupção em tempos de democracia.

Tentou igualar um delator de um movimento de resistência à uma ditadura a um colaborador premiado em um processo de corrupção de dinheiro público numa época de democracia. Processo de safadeza de bilhões e bilhões de reais.

Como o colaborador premiado, Ricardo Pessoa, envolveu em suas denúncias o partido da presidente, e até ela mesma, visto que sua campanha de 2010 teria recebido milhões de reais do sistema de corrupção de grandes empreiteiras, virou, mas agora, não merecedor de respeito.

Combate ao crime como o que atingiu a Petrobras, crimes que envolvem lavagem de dinheiro, crime de quadrilha como essas que vemos aqui neste país, só se chega a algum lugar com a colaboração premiada. Não há outro caminho eficaz.

Fonte: Portal Gama Livre – 30/06/2015 – – 21:47:27