‘Financial Times’ descreve Tiririca como ‘palhaço que perdeu o sorriso’ Segundo jornal britânico, deputado não pretende tentar a reeleição. Correspondente acompanhou rotina do parlamentar em Brasília.

Deputado federal campeão de votos, o palhaço Tiririca (PR-SP) estampou nesta terça-feira (26) a página principal da versão online do jornal britânico “Financial Times”, um dos periódicos mais prestigiados do mundo.

Intitulada de “Palhaço político do Brasil perde seu sorriso”, a reportagem resgata a trajetória do humorista brasileiro e sua imersão no cenário político, nos últimos dois anos.

Segundo a publicação, Tiririca se decepcionou com a política e, desde que foi eleito, “perdeu seu sorriso”.

O palhaço que virou deputado, em 2010, com 1,3 milhão de votos afirmou ao diário inglês que não pretende disputar a reeleição no ano que vem.

O texto destaca que ele se elegeu para o Congresso beneficiado por votos de protesto dos eleitores de São Paulo. O site do jornal relembra que os slogans da campanha eleitoral do comediante “deliberadamente” satirizavam a política brasileira.

No mais famoso deles, Tiririca confessava que não sabia o que fazia um deputado, porém, dizia que se votassem nele ele iria descobrir e contaria aos eleitores.

“Você passa dias inteiros fazendo nada, só aguardando para votar alguma coisa enquanto as pessoas discutem e discutem”, ressaltou o palhaço.

O correspondente do “Financial Times” que redigiu o texto acompanhou a rotina do parlamentar em Brasília. Segundo o relato, para se entrar no gabinete de Tiririca na Câmara dos Deputados é preciso transpor uma multidão de pessoas que se aglomeram na porta de entrada do recinto. 

“Há dias em que nós temos de chamar os seguranças para nos ajudar a deixar o gabinete”, contou Tiririca à publicação nglesa. Ele também disse ao jornal que todos os dias cerca de 150 fãs ingressam no Congresso apenas para fazer fotos ao lado dele.


O “Financial Times” comparou Tiririca ao comediante italiano Beppe Grillo, criador do Movimento Cinco Estrelas, ou M5S. Representando o voto de contestação, Grillo se tornou uma liderança política no país europeu. Seu grupo se saiu bem nas eleições legislativas e passou a ser visto como “curinga” na Itália.

Ao descrever a entrada de Tiririca na política nacional, em 2010, o jornal inglês disse que, à época, ele foi visto como uma piada pela elite política brasileira ao chegar a Brasília.

No entanto, diz o texto, desde que trocou o picadeiro pelo plenário da Câmara, se tornou um dos parlamentares mais destacados da Casa, “pelo menos em termos de assiduidade”. “E inverteu a piada sobre o Congresso, criticando-o por sua ineficiência”, diz o jornal.

A reportagem ressalta ainda que Tiririca faz parte de um crescente número de celebridades que trocaram os holofotes pelos carpetes verdes da casa legislativa. O periódico relaciona no rol de “estrelas” do Congresso Nacional o ex-jogador da Seleção Romário e o ex-boxeador Acelino “Popó” Freitas.

Tiririca disse à publicação que ninguém tentou corrompê-lo na Câmara desde que assumiu seu mandato. Mas ele observou que a corrupção “é uma realidade da instituição”, referindo-se às compras de votos que levaram políticos de diversos partidos a serem condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por envolvimento no esquema do mensalão.

“Aqueles que cometem coisas erradas não irão parar, porque esse mundo funciona dessa forma, mas eles passarão a tomar mais cuidado”, avaliou o deputado. “O que faz um parlamentar? Ele trabalha um monte e produz pouco. Essa é a realidade”, ironizou.

Fonte: G1