Gama Cidadão

Fisioterapeuta ajuda a alfabetizar filha e descobre vocação para Pedagogia

Sempre é tempo de recomeçar, se inspirar, mudar, fazer acontecer. Nem sempre o momento será de ventos favoráveis, mas há quem, mesmo na pandemia, se atreveu a investir em uma nova carreira. Foi assim com a fisioterapeuta Marianna Carvalho, 31, que durante o isolamento social se descobriu “professora” para ajudar a filha Anna Vitória, 6. Agora, ela mira na graduação em Pedagogia.

Durante o isolamento social, com a suspensão de aulas presenciais, a filha da Marianna estava no período de alfabetização e teve que contar com a mãe para atravessar essa importante etapa. Os desafios eram inúmeros e cada um deles foi sendo atravessado com muito amor e dedicação. “Quando começou a pandemia, nós achamos que seriam apenas 15 dias e, depois, o tempo foi aumentando. No início, ela me questionava muito sobre sair e ir para escola. Aí eu olhei vídeos na internet para tentar explicar e fazer ela entender a mudança repentina de rotina e o

Marianna Carvalho e Anna Vitória Carvalho realizando as atividades on-line da escola durante a pandemia – Divulgação – Acervo Pessoal

porquê de precisarmos ficar distantes das pessoas, da escola, dos amigos”, explica a fisioterapeuta.

Especialmente na fase de alfabetização, o contato com colegas, professores e a rotina escolar é muito importante para o desenvolvimento das crianças. Por isso, mesmo com a ajuda da escola nesta etapa, Marianna precisou arregaçar as mangas, focar no instinto de mãe para aperfeiçoar novas habilidades. Tudo para não prejudicar o desempenho acadêmico da filha.

“Com o passar do tempo, a escola começou a se adaptar ao novo normal e aí passou a mandar as atividades, mas para mim ainda era pouco. Por isso, usei o recurso da internet para buscar alternativas para ela começar a desenvolver a escrita, a leitura e treinar as habilidades já conquistadas no período presencial antes da pandemia. Eu tive uma surpresa muito grande por conseguirmos alcançar o objetivo de ensinar e aprender, pois o trabalho foi muito mais meu e dela do que de outra pessoa”, avalia.

Marianna, que sempre valorizou o papel dos professores, sentiu na pele as dificuldades do ato de ensinar. A experiência acabou despertando uma nova vocação. Agora, a fisioterapeuta quer também cursar pedagogia e seguir no caminho da educação. “Eu valorizo muito a escola, o professor. Agora mais do que nunca… se com uma aluna, que é minha filha, foi difícil, eu imagino o desafio de um professor ensinar a dez crianças, com personalidades diferentes, dez famílias diferentes, tudo diferente”, reconhece.

Dificuldades para alfabetizar

Aprender números, letras, formar palavras, dar novos significados à vida… a alfabetização é a etapa mais importante do desenvolvimento infantil e se inicia na primeira infância. É nesta fase que acontece o processo de aprendizagem com foco no desenvolvimento da habilidade de ler e escrever de maneira adequada e para utilizá-la como um código de comunicação com o meio.

Na alfabetização, a aprendizagem acontece inicialmente por meio das brincadeiras, musicalidade, artes e tantas outras atividades que despertam a curiosidade das crianças. “Eu usei os recursos possíveis para o momento, como televisão, internet, vídeos no YouTube para conseguir fazê-la aprender. A gente brinca que é um videogame e cada atividade que ela faz, ela passa de fase”, compartilha uma das suas estratégias lúdicas.

Pensando no período pós-pandemia – e na possibilidade de retorno das aulas presenciais – a preocupação agora é outra. Se, para os adultos, a dificuldade de não manter o contato físico já é grande, imagine para uma criança que tem como principal característica a proximidade. “A orientação sobre os cuidados precisa ser reforçada dentro de casa”, alerta a mãe, fisioterapeuta e futura pedagoga. Máscara, álcool gel na mochila e dose de imunização assim que for liberada a vacina para a faixa etária abaixo dos 12 anos são alguns dos cuidados que não podem ser negligenciados. “Sempre oriento bastante que ela não vai poder abraçar os coleguinhas, nem tirar a máscara. Vamos precisar manter o distanciamento, mesmo sabendo que é difícil”, conclui.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Sair da versão mobile