Gama e Brasília farão duelo da melhor defesa do campeonato contra o melhor ataque

O atacante Giba é dos principais responsáveis pelo ataque colorado

img

Gama e Brasília farão duelo da melhor defesa do campeonato contra o melhor ataque, a partir deste sábado, pela final do Candangão 2015. 

O Periquito levou apenas oito gols em 14 jogos, uma média inferior a 0,6 por partida, enquanto o Colorado anotou 21 tentos no mesmo número de aparições em campo, uma média de 1,5 por confronto.

Na primeira fase, o Verdão não foi vazado em cinco oportunidades, três delas contra os semifinalistas do campeonato. Na sexta rodada, inclusive, derrotou o adversário da decisão por 1 x 0, no estádio Bezerrão. A partir das quartas, porém, fugiu à suas características e levou gol em três dos quatro jogos que disputou. O alento é que o ataque balançou as redes quatro vezes.

O time de vermelho, por sua vez, deixou de marcar em apenas duas partidas da etapa pré­mata-mata: na derrota para o Periquito e em um empate contra o Luziânia, na terceira rodada. Nas fases seguintes, o Brasília manteve a ofensividade: fez cinco gols nos dois triunfos diante do Paracatu e dois diante do Azulino goiano.

Chances nas bolas paradas

Quando a bola rolar no Mané Garrincha, para as duas partidas que definirão o campeão da cidade em 2015, o Gama sabe que não poderá desperdiçar as chances que tiver. O fato de enfrentar uma equipe que sabe se fechar e pouco cede durante as vezes em que entra em campo, são repetidos quase que como mantras entre o elenco do Periquito.

Sendo assim, um dos caminhos para o gol pode ser com as bolas paradas. Foi assim, inclusive, que o Alviverde conseguiu bater o Colorado no único encontro entre as duas equipes, no primeiro turno, no Bezerrão. Um chute de Lenilson selou o resultado positivo.

“Temos que aproveitar as chances que tivermos, caprichar muito na hora de finalizar. O time deles não dá mais do que duas ou três chances”, pondera o volante gamense Baiano.

Tirando dos ricos para dar aos pobres

Apesar dos bons números, a defesa gamense também deve ser motivo de preocupação, especialmente por sua faceta “Robin Hood”. A equipe cedeu gols e pontos para os adversários mais frágeis. Contra os times mais fortes, porém, o goleirão Pereira não teve de buscar a bola no fundo da meta. Além disso, a equipe somou quatro derrotas até o momento, contra apenas uma do Brasília.

Na primeira fase, o time verde poderia, inclusive, ter terminado com a melhor campanha, o que lhe daria a vantagem de jogar por dois resultados iguais na decisão, mas uma derrota, na última rodada antes das quartas, estragou tudo. Segundo pior ataque do campeonato, o Cruzeiro venceu por 1 x 0 no Bezerrão, permitindo ao Colorado roubar a liderança.

Curiosamente, o desempenho do Gama contra os times mais tradicionais é impressionante: não foi vazado, na primeira fase, por nenhum dos quatro melhores ataques. Contra Brasiliense, Brasília, Ceilândia e Luziânia, a atuação defensiva foi perfeita. 

Revivendo rivalidade de antigamente

O discurso no Brasília é de respeito pelos adversários. Jogadores do setor defensivo do atual vice-campeão candango sabem que o Alviverde representa uma verdadeira ameaça à retaguarda do time vermelho e branco.

Mesmo assim, o goleiro Artur demonstra confiança para os encontros contra o Gama, que definirão o campeão local em 2015, reeditando a rivalidade dos anos 1970.

“Espero dois jogos muito pegados. Para qualquer ataque, temos de ter atenção desde o começo do jogo”, ressalta o arqueiro.

Fonte: Jornal de Brasília – 23/04/2015 às 07:01:00     Atualização: 23/04/2015 às 08:54:03

 

 

Tags

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios