Eleições 2018NotíciasPolítica

Mesmo sem mandato, mais votados do DF devem se manter influentes

Por Ana Maria Campos - Coluna Eixo Capital - 09/12/2018 - 22:03:10

A eleição deste ano e a Lei da Ficha Limpa deixaram para trás muitos políticos que nos últimos anos estiveram durante anos na boca do povo, conhecidos e com histórias de mandatos. Com a posse de Ibaneis Rocha (MDB) em janeiro e uma equipe importada da Esplanada, além da grande renovação na Câmara Legislativa e na Federal, fica a dúvida: quem pode influenciar o jogo político pelos próximos quatro anos, como oposição ou no papel de fiscalização do novo governo ou se destacar no exercício da função? Considerando-se o desempenho eleitoral no primeiro turno, entre os 10 mais votados, sete estão sem mandato, mas podem, a depender da atuação, ganhar projeção. Veja quem foram os 10 mais votados:

Ibaneis Rocha (MDB)
Teve 634.008 votos no primeiro turno e venceu no segundo, com quase 70% dos votos válidos. É o próximo governador e protagonista do jogo político no DF.

Leila do Vôlei (PSB)
Eleita a primeira senadora da história do DF, Leila teve 467.787 votos. Está em um partido de oposição, mas pode se aproximar do atual governo como forma de contribuir nas políticas de esporte do DF.

Izalci Lucas (PSDB)
Terceiro mais votado, Izalci teve 403.735 votos. Seu projeto é eleger-se governador e, com mandato de oito anos no Senado, tem a grande oportunidade de concorrer nas próximas eleições sem risco de ficar sem mandato.

Cristovam Buarque (PPS)
Depois de ser governador, ministro da Educação e duas vezes senador, teve 317.778 votos, mas não se reelegeu. Atuante nos debates nacionais, ele vai ficar sem mandato, mas não longe dos temas importantes.

Fadi Faraj (PRP)
Quinto mais votado, teve 268.078 votos e não deve desistir da política. Pastor evangélico, deve ter o discurso fortalecido em tempos de governo Bolsonaro, com temas como Escola sem Partido.

Wasny de Roure (PT)
O petista não se elegeu, mas foi o sexto político mais votado entre todos os candidatos que disputaram a eleição. Teve 218.058. Pode construir um retorno à política nas próximas eleições.

Rodrigo Rollemberg (PSB)
O governador não se reelegeu, mas disputou o segundo turno. Na primeira fase, teve 210.510 votos. Permanece, assim, como um opositor do governador eleito do DF, Ibaneis Rocha, que deve cobrar os compromissos de campanha.

Paulo Roque (Novo)
O advogado que já disputou a Presidência da OAB/DF, mas nunca havia concorrido a cargos públicos, conseguiu um bom desempenho eleitoral na disputa ao Senado. Ficou em oitavo lugar, com 202.834 votos e não desistiu da politica.

Chico Leite (Rede)
O deputado distrital teve 195.641 votos. Não alcançou o objetivo de chegar ao Senado e voltará em janeiro para o Ministério Público do DF e Territórios, de onde está licenciado desde 2002. Mas, em breve, ao se aposentar, poderá retomar, se quiser, a atividade política.

Rogério Rosso (PSD)
Ex-governador eleito em votação indireta em 2010, o deputado federal teve 169.785 votos. Por pouco, não chegou ao segundo turno das eleições deste ano para o Palácio do Buriti. Faltaram cerca de 40 mil votos. Rosso declarou apoio a Ibaneis contra Rollemberg, mas, assim como o atual governador, pode ser uma voz crítica ao novo governo.

Pedido de anistia

O ex-deputado Raad Massouh está batendo na porta do gabinete de distritais com um pedido de anistia à cassação de seu mandato ocorrida em 2013. Ele foi acusado de desviar recursos da execução de uma emenda parlamentar para um show em Sobradinho. O motivo é a absolvição em primeira instância e está concluso ao relator, desembargador Nilsoni de Freitas Custódio, para julgamento do recurso do Ministério Público do DF. Uma anistia seria algo sem precedentes na Câmara Legislativa.

Sabatina marcada

Será na próxima terça-feira a sabatina de Ludmila Lavocat Galvão Vieira de Carvalho pelos deputados distritais para a aprovação da indicação ao cargo de procuradora-geral do DF. O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) enviou a mensagem na sua gestão e os trâmites estão correndo rapidamente. Ludmila é de uma família tradicional no meio jurídico. Filha do ex-ministro do STJ e do STF Ilmar Galvão, ela é casada com o também procurador Tarcísio Vieira de Carvalho, que é ministro do TSE. O irmão dela, Marcelo Galvão, foi procurador-geral do DF. O parecer do relator, Professor Reginaldo Veras (PDT), foi pela aprovação da nomeação.

Sem cargos

O clima entre integrantes do PP não anda bom com o governador eleito Ibaneis Rocha. Adivinha o motivo? Cargos. Candidato a deputado federal pelo partido, o ex-distrital Olair Francisco disse em grupo de WhatsApp do PP: “Ei, meus amigos progressistas, acho que a gente tem que se preparar para nós (sic) ser oposição, porque infelizmente eu acho que o governo vai nos deixar na mão, porque esse homem aí é difícil mesmo, viu?”.

Só papos

“Bolsonaro só venceu porque não concorreu contra mim”
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em entrevista à BBC

“Só não concorri com Lula porque ele está preso, condenado por corrupção!”
Presidente eleito Jair Bolsonaro, pelo Twitter

Tags

Artigos relacionados

Portal de Notícias Gama Cidadão o
Fechar