Meio Ambiente e a Sustentabilidade

Músico cria sistema para economizar água, mas ganha taxa extra em GO

Segundo ele, Saneago percebeu que consumo estava baixo e o ‘penalizou’. Estatal diz que cobrança se refere a serviço de tratamento de esgoto.

Ligado à causas ecológicas e pensando em diminuir o gasto com água em casa, o músico Geraldo Corredeira resolveu criar um sistema de filtragem para reciclar e reutilizar o recurso. Morador de Anápolis, a 55 km de Goiânia, ele revela que conseguiu reduzir o valor da conta no final do mês, mas foi surpreendido quando um agente da Companhia de Saneamento de Goiás (Saneago) esteve na sua residência afirmando que ele era obrigado a pagar, pelo menos, um consumo mínimo.

“O pessoal da Saneago percebeu que meu consumo de água caiu muito e veio procurar na minha casa o chamado ‘gato’. Eu percebi e mostrei para ele [funcionário da companhia] os filtros em que faço economia e imaginei que ele ia gostar da ideia, mas ele me penalizou com dez metros [cúbicos] de consumo mensal, eu gastando ou não”, afirmou.

No equipamento criado por Geraldo, a água que antes ia para o esgoto passou a descer por uma tubulação e é despejada em um sistema de filtragem, formado por caixas com areia e brita, que removem as impurezas. Depois de filtrada, a água vai para um reservatório e é reutilizada para afazeres domésticos, como limpar a casa, lavar a roupa e regar as plantas.

Esposa de Geraldo, a design de sobrancelhas Maria Rodrigues ficou orgulhosa com a atitude do marido. “Quando ele começou e fez tudo certinho, eu admirei muito, achei muito louvável da parte dele em preocupar-se em reciclar água porque normalmente a gente vê todo mundo é gastando água em excesso”, salienta.

A ideia surgiu depois dele assistir a um vídeo na internet. “Gosto muito de tudo que se trata de ecologia. Então, isso me deu muita satisfação pessoal. Mas acabou também me dando lucro financeiro, porque eu reduzi bastante o consumo da água”, revela.

Investimento
Para comprar as caixas, materiais hidráulicos e reservatórios utilizados, o músico gastou cerca de R$ 500. Porém, o retorno veio em menos de um ano. Neste período, sua família conseguiu economizar 70% da água consumida.

As tarifas do talão de água comprovam a economia. Antes da instalação do equipamento, a casa tinha consumo médio de 20 m³, com custo de R$ 63. Depois disso, a família passou a usar somente 6 m³ e a conta caiu para R$ 23.

imgDepois que a Saneago afirmou que uma quantidade mínima de consumo seria cobrada mesmo que não fosse usada, Geraldo resolveu parar de usar o o sistema, pois afirma que o que antes era econômico começou a dar prejuízo.

“Acho que foi uma falta de consideração e de entendimento da Saneago. Deveria ter dado mais apoio para a gente e até incentivado outras pessoas a fazerem o mesmo porque o planeta está pedindo socorro. Acho que se cada um fizer a sua parte, o mundo agradece”, diz Maria.

Esgoto
A gerente da Saneago em Anápolis, Tânia Valeriano, afirmou que a penalidade a que o músico se referia trata-se da cobrança feita pelo tratamento do esgoto. “O consumo de água, que é registrado no hidrômetro, somou-se a esse consumo estimado que ele citou, de dez metros [cúbicos], que é o que equivale ao lançamento do esgoto. Ele continua fazendo esse uso do esgoto”, explica.

Ela diz ainda que não é possível evitar a cobrança do valor mínimo. “O volume que é lançado no esgoto é claro que é maior do que é lido no hidrômetro. É necessário que haja um acréscimo realmente, já que o custo do tratamento de esgoto é bem mais elevado do que o tratamento da água. E não é possível que esse custo não seja cobrado”, salienta.

Tânia negou que a estatal não incentive a economia de água. “O incentivo é o que ele já obteve, que é a redução no consumo, que é imediato. Com certeza, a Saneago já estuda outros tipos de incentivo, mas até o momento é só a redução no consumo”, afirma.

Assista à reportagem da TV Anhanguera Clique aqui!

img

Fonte: G1 GO – 21/10/2014 17h54 – Atualizado em 21/10/2014 17h54

 

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Portal de Notícias Gama Cidadão o
Fechar