Rollemberg vai ao Planalto mostrar a Dilma que situação financeira do DF é grave

“Saímos daqui muito satisfeitos, esperançosos e convictos de que teremos ajuda do Governo Federal para superarmos, juntos, as dificuldades que estamos enfrentando neste momento”, destacou o governador

Demorou duas horas a reunião entre o governador Rodrigo Rollemberg e a presidente Dilma Rousseff,  na tarde de ontem. O assunto predominante foi a  crise financeira do DF, com  um pedido de socorro ao Governo Federal. O governador saiu do Palácio do Planalto animado com a sinalização positiva da petista para os problemas do caixa do Distrito Federal. E com a promessa de criação de um grupo de trabalho, formado por membros dos governos Federal e do DF. 

Rollemberg classificou a reunião como “extremamente positiva”, já que a presidente petista foi receptiva e colocou a equipe palaciana à disposição para encontrar saídas criativas para a crise financeira do DF. “Saímos daqui muito satisfeitos, esperançosos e convictos de que teremos ajuda do Governo Federal para superarmos, juntos, as dificuldades que estamos enfrentando neste momento”, destacou. 

O governador levou  algumas propostas à chefe do executivo: entre elas, o pagamento das diferenças dos valores devidos ao DF, entre as previsões orçamentárias  e as arrecadações, no que se refere ao Fundo Constitucional. Pelas contas do atual governo, o valor passa de R$ 1 bilhão.

Rollemberg  sugeriu também que o DF estabeleça  parcerias com a União, por meio da Terracap, e que o Banco Regional de Brasília (BRB) seja o  agente financeiro de alguns programas, em parceria com bancos públicos oficiais.

 “Aproveitamos também para reivindicar à presidente da República que os empréstimos que estamos solicitando junto ao Ministério da Fazenda, para novos investimentos em Brasília, também possam ser apreciados com carinho”, disse o governador.

Elo

Intermediado pelo deputado federal Rogério Rosso (PSD-DF), o encontro também reuniu os ministros Aloísio Mercadante (Casa Civil)  e Nelson  Barbosa (Planejamento) e o secretário da Casa Civil do DF, Sérgio Sampaio.

Rosso destacou a criação do  grupo de trabalho sugerida pela  presidente como ação concreta da reunião. Ele próprio, a pedido de Dilma, participará da comissão. 

Presidente se surpreendeu com números
 
Dilma desconhecia a realidade das contas do DF, segundo Rogério Rosso. “Fizemos um alinhamento de informações”, resumiu. Rollemberg, pessoalmente, mostrou as contas e o problema do fluxo de caixa. “A presidente mostrou claramente preocupação”, disse Rosso.
Dilma foi muito direta, segundo o ex-governador. E demonstrou vontade em ajudar. 
 
Precatórios
Outro assunto tratado no encontro foi a sanção do projeto de lei  que permite a utilização dos depósitos judiciais e administrativos para pagamento de precatórios. Rollemberg disse que Dilma pediu a opinião dele sobre o assunto, que se mostrou favorável à sanção.
“A presidente disse que está montando uma comissão para analisar o assunto com muito carinho”, disse o governador.  

Demorou duas horas a reunião entre o governador Rodrigo Rollemberg e a presidente Dilma Rousseff,  na tarde de ontem. O assunto predominante foi a  crise financeira do DF, com  um pedido de socorro ao Governo Federal. O governador saiu do Palácio do Planalto animado com a sinalização positiva da petista para os problemas do caixa do Distrito Federal. E com a promessa de criação de um grupo de trabalho, formado por membros dos governos Federal e do DF. 

Rollemberg classificou a reunião como “extremamente positiva”, já que a presidente petista foi receptiva e colocou a equipe palaciana à disposição para encontrar saídas criativas para a crise financeira do DF. “Saímos daqui muito satisfeitos, esperançosos e convictos de que teremos ajuda do Governo Federal para superarmos, juntos, as dificuldades que estamos enfrentando neste momento”, destacou. 

O governador levou  algumas propostas à chefe do executivo: entre elas, o pagamento das diferenças dos valores devidos ao DF, entre as previsões orçamentárias  e as arrecadações, no que se refere ao Fundo Constitucional. Pelas contas do atual governo, o valor passa de R$ 1 bilhão.

Rollemberg  sugeriu também que o DF estabeleça  parcerias com a União, por meio da Terracap, e que o Banco Regional de Brasília (BRB) seja o  agente financeiro de alguns programas, em parceria com bancos públicos oficiais.

 “Aproveitamos também para reivindicar à presidente da República que os empréstimos que estamos solicitando junto ao Ministério da Fazenda, para novos investimentos em Brasília, também possam ser apreciados com carinho”, disse o governador.

Elo

Intermediado pelo deputado federal Rogério Rosso (PSD-DF), o encontro também reuniu os ministros Aloísio Mercadante (Casa Civil)  e Nelson  Barbosa (Planejamento) e o secretário da Casa Civil do DF, Sérgio Sampaio.

Rosso destacou a criação do  grupo de trabalho sugerida pela  presidente como ação concreta da reunião. Ele próprio, a pedido de Dilma, participará da comissão. 

Presidente se surpreendeu com números
 
Dilma desconhecia a realidade das contas do DF, segundo Rogério Rosso. “Fizemos um alinhamento de informações”, resumiu. Rollemberg, pessoalmente, mostrou as contas e o problema do fluxo de caixa. “A presidente mostrou claramente preocupação”, disse Rosso.
Dilma foi muito direta, segundo o ex-governador. E demonstrou vontade em ajudar. 
 
Precatórios
Outro assunto tratado no encontro foi a sanção do projeto de lei  que permite a utilização dos depósitos judiciais e administrativos para pagamento de precatórios. Rollemberg disse que Dilma pediu a opinião dele sobre o assunto, que se mostrou favorável à sanção.
“A presidente disse que está montando uma comissão para analisar o assunto com muito carinho”, disse o governador.  
 
Fonte: Jornal de Brasília – 17/07/2015 às 07:19:05