Diploma de graduação influenciou aumento de salário dos brasileiros, indica pesquisa

Segundo Instituto Semesp, houve crescimento de 135% entre os que recebem acima de R$ 5 mil

Um estudo realizado com mais de 8.500 egressos e alunos de graduação do país apontou o aumento de salário após a conclusão do curso. De acordo com o Instituto Semesp, entidade que representa mantenedoras de ensino superior do Brasil e que realizou a pesquisa, o número de pessoas que recebem acima de R$5 mil cresceu acima de 100%. Antes de concluir o curso de nível superior, apenas 2,9% recebiam acima de R$ 5 mil.

Já após a conclusão do curso, esse percentual saltou para 26%. Com o estudo, também foi possível identificar o percentual de migração entre as faixas de rendimento mensal de antes e depois da conclusão da graduação. Entre os estudantes que recebiam uma renda de até mil reais mensais antes de terminar o curso, 91,4% apresentaram rendimento em uma faixa de renda superior (acima de mil reais) após a conclusão. Entre os que recebiam uma renda de R$ 2 mil a R$ 3 mil mensais antes de terminar o curso, 66,8% apresentaram rendimento em uma faixa de renda acima de R$ 3 mil.

A pesquisa também aponta que houve alguma melhoria na vida pessoal ou profissional após o diploma para mais de 82,2% dos graduados. Entre as melhorias citadas pelos egressos de instituições privadas estão o salário (24,9%), o ingresso em uma pós-graduação (19,9%) e a conquista do primeiro emprego ou um novo emprego dentro da sua área de formação (33%).

Importância do diploma

Os cursos de graduação são importantes para o trabalhador que quer ter alguma vantagem no mercado de trabalho. Mesmo com o período conturbado, por conta da pandemia de coronavírus, o diploma de graduação é uma maneira de blindar o profissional, deixando-o menos vulnerável aos efeitos econômicos.

A pesquisa da Semep relatou, ainda, que para 78,8% dos egressos em instituições privadas e 77,8% em públicas, a graduação foi importante para ingressar no mercado de trabalho. Apesar disso, ainda existem algumas áreas que foram mais afetadas com a instabilidade econômica mundial.

Os cursos que apresentaram maiores percentuais de egressos desempregados há mais de um ano foram Serviço Social e Engenharia Civil. Os cursos com maiores percentuais de desempregados no período de pandemia (há menos de um ano) foram Estética e Cosmética e Gestão de Pessoas.

Entre os que ainda não conseguiram o primeiro emprego formal, 64,4% são recém-formados (conclusão do curso em 2019, 2020 ou 2021) impactados diretamente pela pandemia da Covid-19.

Em contrapartida, existem os cursos que apresentam crescimento nas contratações. As áreas de Saúde, como Medicina e os cursos relacionados à Informática, como Engenharia da Computação, foram os que apresentaram maior percentual de egressos que estavam trabalhando na área de formação.

A maioria dos alunos respondentes pertence ao sexo feminino: 59,7% dos alunos de cursos presenciais e 57,6% dos alunos de cursos de Ensino a Distância (EAD). Há, também, uma diferença significativa entre as idades dos alunos de cursos presenciais e EAD. Enquanto os estudantes de cursos presenciais são mais jovens (71,6% têm até 29 anos), as idades dos alunos do EAD estão mais distribuídas (63,9% têm 30 anos ou mais).

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Tags

Israel Carvalho

Diretor-Presidente do portal Gama Cidadão, Jornalista nº. DRT 10370/DF, Multimídia e Internet Marketing.

Artigos relacionados

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios