Destaque (Slide Show)EducaçãoEsporteEsporteNotícias do GamaRepórter CidadãoSaudade minha cidade

Sem apoio governamental, projeto social do CEF 15 traz duas medalhas do mundial de Jiu-Jitsu

Mundial aconteceu em São Paulo capital, o projeto Oxigênio, ao todo, conquistou quatro medalhas

Em meio às dificuldades e sem apoio governamental, o projeto Oxigênio é abraçado pelo CEF 15 (Centro de Ensino Fundamental 15 do Gama) e traz duas medalhas do mundial de Jiu-Jitsu; Prata e Bronze, conquistadas por dois alunos de 16 anos (Cayron Henrique e Luis Roberto). O mundial foi realizado pela Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Esportivo (CBJJE), aconteceu dos dias 25 ao dia 28 de julho no Ginásio Mauro Pinheiro – Ibirapuera, São Paulo capital.

Sem apoio governamental CEF 15/Projeto Oxigênio encaram as dificuldades

O ganhador da medalha de prata (Cayron Henrique) disputou a final com o número 1 do ranking da CBJJE; a diferença é que ele só treina 3 vezes na semana, não tem infraestrutura adequada e carece de um kimono um pouco menos surrado.

 

Prata e Bronze do Mundial da CBJJE

Sem apoio governamental, CEF 15 do Gama cedeu espaço para o projeto que é um sucesso na comunidade; pois afasta nossas crianças e adolescentes das drogas, além de possibilitar qualidade de vida, ajudando na melhora da capacidade cardiovascular, trabalhando a respiração e melhorando os reflexos, além de desenvolver o caráter.

Os participantes tiveram que fazer alguns bicos e contar com a ajuda de algumas pessoas para conseguirem ir para São Paulo. Enquanto alguns atletas de escolas da elite conseguem passagens e patrocínio do GDF.

Diretora do CEF 15 fala com nossa redação

Em conversa com a diretora da escola (Ana Elen) conseguimos identificar a falta de apoio governamental que a escola de ensino integral sofre para capacitar e construir um ambiente de cidadania para sua clientela.

Além do apoio governamental, diretora cita o distanciamento do setor privado e das dificuldades de envolver a comunidade local.


Como todos sabemos, somos um país de escolarização tardia; somente na virada deste século é que toda a população em idade escolar passou a frequentar o ensino obrigatório. Para melhor explanação sobre esse assunto, recomendamos o artigo da Elba Siqueira de Sá professora da USP.

De acordo com o artigo 34 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação; o Ensino Fundamental deve ter no mínimo 4 horas diárias na escola e que essa carga horária deve ser progressivamente ampliada. O ensino integral foi institucionalizado como política pública para atender a legislação.

Por Danrley Pereira – Da Redação do Gama Cidadão.

Tags

Danrley Willyan

Social Midia, Jornalista (número de registro: 0012449/DF) e Desenvolvedor Web

Artigos relacionados

Fechar