Destaque (Slide Show)EducaçãoNotícias

Estudantes de enfermagem precisam conviver com o estereótipo de que são médicos frustrados

Existe rivalidade entre as profissões?

Quando a escolha é seguir a carreira da Enfermagem, estudantes precisam conviver com os estereótipos dessa profissão e com algumas afirmações equivocadas, como por exemplo, a de que enfermeiros são médicos frustrados. E, mesmo este sendo um comentário muito comum, não condiz com a realidade.

O médico cuida do diagnóstico, o enfermeiro dá assistência ao paciente. São dois profissionais cujas atividades se completam, sem relação de subordinação. Conforme a resolução do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) nº 0570/2018, o profissional recém-formado pode se especializar em uma das categorias agrupadas em três diferentes áreas.

Na área I, os campos são: saúde coletiva, saúde da criança e do adolescente, saúde do adulto, saúde do idoso, e urgência e emergência. Na área II, o foco é a gestão e, na terceira, é ensino e pesquisa. Ainda de acordo com o Cofen, no Brasil, existem em média, 500 mil enfermeiros com ensino superior exercendo a profissão. Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), são reconhecidos, no Brasil, 53 áreas de atuação médica e existem 457.723 profissionais em atuação.

Para Naiara Silva, de 24 anos, aluna do sétimo semestre de Enfermagem, as duas áreas se complementam. “Enfermagem sempre foi a minha primeira opção, eu amo cuidar das pessoas e me sinto bem exercendo essa função”, frisa. Ela até já pensou em cursar medicina, mas depois que fez um curso técnico de enfermagem se apaixonou pela profissão e não sente mais a necessidade de se tornar médica.

Para Naiara, o preconceito perdeu força ao longo dos anos, mas não foi extinto. “Meu desejo, é que o trabalho dos enfermeiros se torne mais conhecido e visto com menos preconceito. Os serviços prestados por cada uma das profissões são diferentes e precisam ser valorizados. Mas me encontrei na enfermagem porque tenho muito contato com os pacientes. Sinto-me próxima e isso é gratificante”, conclui.

Jornadas de trabalho exaustivas, anos de estudo e habilidades para cuidar de pessoas são características comuns em entre os profissionais de enfermagem e de medicina. No entanto, essas profissões possuem diferenças cruciais que vão desde o período de graduação até a remuneração no mercado de trabalho.

Os estudantes de medicina dedicam cerca de seis anos para a graduação, divididos entre estudos teóricos, práticos e dois anos para especialização através da residência. Já os estudantes de enfermagem passam quatro anos na universidade e, após a formatura, já podem atuar.

Medicina é uma das profissões mais concorridas do Brasil, mas também a mais bem remunerada. Os ganhos iniciais chegam a 3 mil reais mensais – a depender da área de atuação. No auge da carreira, alguns médicos têm uma média salarial superior a 25 mil reais. Já os profissionais de enfermagem têm salário inicial de 2 mil reais e cerca de 6 mil reais no auge da carreira.

Confira aqui a média salarial de um enfermeiro de acordo com o SINE – Site Nacional de Empregos

Ao colocar na balança se vai fazer medicina ou enfermagem, você deve estar pronto para abraçar uma carreira com muitos desafios. Está preparado? Se a sua escolha for a Enfermagem, saiba que o Educa Mais Brasil oferece bolsas de estudo de até 70% para você fazer uma graduação nessa área. Se interessou? Acesse o site do Educa Mais Brasil e confira todas os oportunidades disponíveis na sua região. A inscrição é gratuita.

Fonte: Bárbara Maria – Ascom Educa Mais Brasil

Tags

Artigos relacionados

Veja Também

Fechar
Portal de Notícias Gama Cidadão o
Fechar
%d blogueiros gostam disto: