Sustentabilidade nas empresas: um modelo que alia lucratividade com o bem-estar dos colaboradores e clientes

Biodigestor, projeto desenvolvido pela Poli Júnior, tem como intuito analisar a viabilidade técnica e econômica da implementação de biodigestores em estabelecimentos comerciais, evitando que toneladas de lixos orgânicos sejam enviados para aterros sanitários

Biodigestor, projeto desenvolvido pela Poli Júnior, tem como intuito analisar a viabilidade técnica e econômica da implementação de biodigestores em estabelecimentos comerciais, evitando que toneladas de lixos orgânicos sejam enviados para aterros sanitários

São Paulo, julho de 2020 – Vivemos em uma era onde as discussões ambientais estão cada vez mais presentes no dia a dia. Por conta disso, a sustentabilidade empresarial – nome que se dá para o conjunto de ações adotadas pelas empresas com o objetivo de atuar de maneira consciente – vem aumentando ano após ano no Brasil e no mundo. Uma pesquisa da Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial -, patrocinada pela Bayer, FCA e Natura, mostra que 91% das empresas participantes dessa mesma pesquisa, possuem programas de sustentabilidade e de responsabilidade social.

Nas empresas juniores essa questão também não é diferente, para Yuichi Tokumoto, coordenador de projetos da Poli Júnior – empresa júnior de engenharia da USP -, quando se fala de sustentabilidade pensam em inovação. “Não há ambiente mais voltado para inovação do que o ambiente universitário, então, por estarmos dentro da USP, uma das universidade que mais produz conhecimento na América Latina, é imprescindível que tenhamos boas condutas sustentáveis para nos destacar no mercado”, comenta.

O Núcleo de Química da empresa atende as principais demandas que surgem em relação à sustentabilidade dos clientes, desde readequar o descarte de resíduos até a análise completa dos descartes da cadeia produtiva, sempre seguindo a legislação. “Nós também somos responsáveis por trocar o material dos nossos clientes por um que seja reutilizável/reciclável/biodegradável e ajudá-los a lançar produtos novos no mercado que deem uma visibilidade técnica e econômica à eles”, explica Tokumoto.

Um bom exemplo é o projeto Biodigestor, que tem como intuito analisar a viabilidade técnica e econômica da implementação de biodigestores em estabelecimentos comerciais. Com ele, é possível evitar que toneladas de lixos orgânicos sejam enviados para aterros sanitários. No lugar, o aparato utilizaria os resíduos produzidos para a produção de gás natural e biofertilizantes, que poderia ser vendido para empreendimentos rurais. “Os cálculos realizados ao longo desse estudo indicam uma economia considerável do gás de cozinha com o gás que é produzido pelo biodigestor. Além disso, a venda do biofertilizante pode ser também uma ótima opção de renda extra”, explica o coordenador de projetos.

Junto de uma equipe altamente qualificada, a Poli Júnior também tem acesso aos professores que são referências mundiais no assunto, o que torna o diálogo e a troca de conhecimento muito mais fácil. É importante citar que os laboratórios da USP estão à disposição dos mesmos, fazendo com que testem sempre equipamentos de ponta para a realização dos projetos. “Esses diferenciais fazem com que os nossos produtos sejam 60% mais barato do que a do mercado sênior. Porque mesmo com mercadorias orgânicas caras, economizamos muito, principalmente em mão de obra e utilização dos laboratórios da Escola Politécnica”, finaliza Yuichi Tokumoto.

Para mais detalhes, acesse o site: http://www.polijunior.com.br/ .

Sobre a Poli Júnior

Fundada em 1989 como a primeira Empresa Júnior de Engenharia do Brasil, a Poli Júnior é uma associação civil sem fins lucrativos constituída e gerida pelos alunos de engenharia da USP. Com sua sede dentro da escola politécnica da USP, seus representantes conseguem entregar com maestria soluções de diferentes áreas da engenharia a um valor competitivo, além de terem acesso aos melhores professores do mercado para auxiliá-los. Entre as áreas trabalhadas em seus projetos estão Civil; Mecânica e Eletrônica; Produção; Química; e Tecnologia, que já foram contemplada com premiações como Prêmio FEJESP(Federação das Empresas Juniores do Estado de São Paulo) de 2016, 2017 e 2018; Palestra Magna ENEJ (Encontro Nacional das Empresas Juniores) 2017 e 2018.