Notícias

Pais devem criar estratégias na compra de material escolar

Lei federal proíbe escolas de solicitar materiais de uso coletivo. Em Marília, diferença no preço das lapiseiras pode chegar até 200%

Pais e filhos devem criar estratégias na hora de comprar o material escolar, segundo os especialistas. É preciso ficar atento às compras, já que a partir deste ano, uma lei federal proíbe que as escolas encaminhem lista de materiais de uso coletivo, como papel higiênico e sabonete.

Em Marília (SP), uma caixa de lápis de cor de uma marca custa R$ 3,40, enquanto outra é vendida a R$ 18. Já um caderno com dez matérias pode sair por R$ 32 ou por R$ 17, dependendo dos personagens que estão na capa.

A diferença de preço entre as lapiseiras passa dos 200% em Marília, com valores entre R$ 1,31 e R$ 25. A administradora Fernanda Teixeira tem algumas estratégias na hora de gastar menos na compra do material dos filhos. Ela ouve a opinião das outras mães e faz pesquisa de mercado nas prateleiras. “A gente tirou um xerox das listas e distribuiu nas papelarias que tem material escolar. Depois nós pegamos o orçamento e preço de cada item da relação e vê quanto custa cada item da relação”, ressalta a administradora.

Outra dica dos especialistas é, de preferência, não levar os filhos na hora da compra já que as crianças são facilmente seduzidas e, o que elas gostam, normalmente, custa mais caro. “Uma das análises que pude observar é que se você pode gastar quase R$ 1 mil se comprar tudo o que os filhos querem. Já se os pais forem sozinhos, a despesa cai para R$ 650, pegando os 70 itens que abrangem tudo. O visual que é colocado aos olhos das crianças é muito chamativo”, orienta o economista Eduardo Rino.

O gerente de uma papelaria de Marília diz que a cada ano aumentam as opções de produtos no mercado. “Todos os anos temos muita variedade e lançamentos. O material escolar hoje tem uma linha muito abrangente. Os fornecedores têm investido em personagens e inovações, o que garante mais opções para o consumidor”, afirma Alexandre Guedes.

No entanto, nem é sempre possível deixar os filhos em casa e muitas vezes eles querem ter a opinião ouvida, ou seja, o jeito é negociar. “Eu deixo meus filhos escolherem metade e o resto eu decido. Desta forma, eles conseguem distinguir o preço das coisas. Tem que olhar as coisas que eles gostam, mas ver o preço também ”, comenta a gerente financeira Denise Bueno. 

Milton Magalhães escolhe o material escolar da filha (Foto: Magda Oliveira/G1)

Pais devem pesquisar antes de comprar material escolar dos filhos  (Foto: Magda Oliveira/G1)

 
Assista à reportagem do G1 DF Clique aqui!
 
Fonte: G1
 
Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Portal de Notícias Gama Cidadão o
Fechar
%d blogueiros gostam disto: