Saúde: Um em cada três casos de Alzheimer pode ser evitado

Pesquisa concluiu que parte da doença é provocada por fatores de risco modificáveis, como obesidade, tabagismo e baixos níveis de escolaridade.

img

Demência: Alzheimer tem prevenção em parte dos casos, afirma pesquisa (Getty Images/Ingram Publishing)

Um terço dos casos de Alzheimer no mundo tem prevenção, já que é desencadeado por fatores que podem ser evitados. São eles: sedentarismo, tabagismo, diabetes, hipertensão, obesidade, depressão e baixos níveis de educação. A conclusão faz parte de uma pesquisa publicada nesta segunda-feira na revista médica The Lancet Neurology. …

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Potential for primary prevention of Alzheimer’s disease: an analysis of population-based data

Onde foi divulgada: The Lancet Neurology

Quem fez: Sam Norton, Fiona E Matthews, Deborah Barnes, Kristine Yaffe e Carol Brayne

Instituição: Universidade de Cambridge e King’s College London, Grã-Bretanha, e Universidade da Califórnia, EUA

Resultado: Um terço dos casos de Alzheimer é desencadeado por fatores de risco que podem ser evitados ou que têm prevenção, como diabetes, obesidade e baixos níveis de educação.

O estudo, feito por especialistas americanos e britânicos, foi conduzido no Instituto de Saúde Pública da Universidade de Cambridge. A estimativa apontada pelo trabalho é menor do que a de um estudo anterior feito pelos mesmos pesquisadores, que havia indicado que metade dos casos de Alzheimer poderia ser evitada.

Acredita-se que 44 milhões de pessoas no mundo tenham Alzheimer e que esse número chegue a 106 milhões de casos até 2050. Segundo pesquisa de Cambridge, no entanto, se a população mundial diminuir em 10% cada um dos fatores de risco modificáveis da doença, será possível evitar cerca de 9 milhões de casos de Alzheimer até 2050.

O novo estudo se baseou em estatísticas sobre a doença nos Estados Unidos e na Europa e relacionou esses dados com a prevalência de fatores de risco à saúde, como obesidade e diabetes, nessas regiões.

“Embora não exista uma forma única de prevenir o Alzheimer, talvez nós possamos dar alguns passos para reduzir o nosso risco de demência em idades mais avançadas. Praticar atividade física, por exemplo, diminui os níveis de obesidade, hipertensão e diabetes, e pode evitar demência em algumas pessoas, além de melhorar a saúde em geral com o envelhecimento”, diz Carol Brayne, professora da Universidade de Cambridge e coordenadora do estudo.

“A nossa esperança é que essas estimativas ajudem a traçar estratégias para prevenir e lidar melhor com essa condição”, diz Deborah Barnes, especialista do Departamento de Epidemiologia da Universidade da Califórnia em São Francisco, Estados Unidos, e uma das autoras da pesquisa. 

Dormir bem

É durante o sono que a memória e a aprendizagem se consolidam. Na fase denominada REM, o cérebro reúne as informações e lembranças adquiridas no dia e as repete para si mesmo — isto é, reativa os circuitos neurais utilizados durante o dia. A partir daí, o conteúdo migra para a chamada memória de longo prazo. “De dia, as informações estão bagunçadas no cérebro. No sono reparador, elas se organizam e passam a fazer sentido. Esse processo faz com que a pessoa não esqueça o que estudou, por exemplo”, explica Edson Issamu Yokoo, neurologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. Por isso, dormir bem é um conselho recorrente para estudantes.

Fonte: Revista Veja – 14/07/2014 – – 21:34:53
Tags

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios