A Queima-Roupa: Donizet abre o bico sobre polêmica no Gama

Cidadão e Servidor  Duas faces da mesma moeda

Danilo Donizet “irmão de deputado” também é gente

Desde 2010 na polícia militar do Distrito Federal (DF) irmão do deputado Daniel Donizet atua em um dos batalhões mais conhecidos da Polícia Militar do DF, o Grupo Tático Operacional – GTOP.

Depois da polêmica na administração do Gama no ano passado (2019), onde o cabo da polícia foi acusado de executar um cargo de chefia informal durante suas férias, esse caso foi polêmica distrital, passando até mesmo no jornal DFTV primeira edição (link). Hoje mais de um ano após a data do suposto fato o Gama Cidadão buscou as informações sobre o destino do caso.

Após algumas pesquisas em fóruns e no batalhão do senhor Danilo Donizet, não encontramos nenhuma abertura de processo civil, administrativo ou criminal em seu nome, nem mesmo uma denúncia formal; descobrimos que o motivo para não abertura de processo foi que ninguém abriu um processo formal e consequentemente não apresentaram de provas contra o o senhor Donizet. Ficando apenas uma denúncia leviana na mídia sem comprovação/verificação das acusações ou veracidade de qualquer prova apresentada.

Vale lembrar que na época o deputado Daniel Donizet fez um movimento arriscado abrindo mão de ser deputado (link) para se tornar administrador do Gama, até então administrado por Juliana Navarro (link).

É claro a vontade política de alguns setores associados a outros grupos políticos em atingir o perfil do então neófito deputado; e como na política brasileira não há uma separação clara entre vida pública e privada (Sérgio Buarque de Holanda fala sobre isso em seu livro – Raízes do Brasil e O Homem Cordial) o senhor Danilo Donizet acabou sendo alvo dos algozes de seu irmão.

O cabo Danilo Donizet participou de diferentes ações na polícia militar, principalmente em ações de apreensão de drogas. Veja entrevista:

Em função do caso que o senhor aparentemente foi indevidamente acusado no ano passado, o senhor tem algo a dizer sobre as acusações?

De acordo com as Leis brasileiras cabe ao acusador comprovar suas alegações e não ao acusado, incluindo verificar a autenticidade do que recebe como denúncia, prints, fotos, antes de dar publicidade a algo duvidoso. Porém, afirmo que os fatos são inverídicos, tanto é que nunca houve qualquer tipo de procedimento de acusacao ou apuração contra mim em nenhuma esfera.

Como tem sido sua atuação dentro da corporação? Desde que ano o senhor faz parte da corporação?

Sou Policial Militar há 10 anos, atuei no Grupo Tático Operacional por aproximadamente 9 anos, com inúmeros elogios da sociedade e do comando, recorde de apreensão de armas e flagrantes entre 2017 e 2018 bem como a maior apreensão de uma determinada droga no DF. Foram centenas de vidas protegidas, de bens recuperados (celulares, carros) e de pessoas agradecida pelo nosso empenho e compromisso.

Atuei sempre de forma honrada e cumprindo meu juramento de forma integral, tanto é que já me acidentei por 3 vezes em serviço perseguindo carros roubados, ou tentando deter criminosos. Lesões e machucados foram coisas relativamente comuns durante o cumprimento do dever, muitas vezes apenas para garantir uma noite de sono tranquila e protegida a quem estava no conforto do seu lar, ou em circulação nas ruas. Atualmente estou afastado por problemas de saúde.

O que o senhor tem a dizer sobre ser irmão de um deputado? Como isso atingiu sua vida?

Não comento sobre questões políticas relativas ao meu irmão. Mas pelo visto as pessoas tendem a usar tudo e a todos para tentar atacar uma pessoa pública, em especial por motivos pessoais (cargos, poder, manipulação) o que é terrível, pois isso mostra a degradação da sociedade em todos os seus aspectos. Já não importa mais a vida das pessoas, o que mais importa é uma ter matéria “bombástica atacando alguém” – ainda que firmada em inverdades, falsas denúncias – de péssimas e comprometidas fontes, apenas para “macular” sua imagem, sem antes sequer checar a veracidade das informações ou a veracidade do que lhe é apresentado como prova.
Eu, como Policial Militar, me firmo na lei e na veracidade dos fatos, pois nunca desejo prender ninguém de forma indevida ou sob falsas acusações. Utopicamente, imagino que todas as profissões deveriam agir assim, mas vejo certamente, que no mundo real não funciona assim para todos.

Algumas ponderações feitas pelo entrevistado

Não quero que pareça autopromoção, se tomar esse formato, prefiro que não publique. Não quero vinculações políticas, o que eu desejo profundamente é o reconhecimento profissional dos anos de esforço pela sociedade do DF, e mais especificamente nos últimos 5 anos, pela comunidade onde vivo, GAMA.

Minha reputação foi manchada por uma matéria caluniosa, difamatória, contra a qual existe uma ocorrência registrada, ainda em apuração por parte da justiça. Processos de pessoas normais, infelizmente, costumam levar anos até sua conclusão.

Estudei no centro e ensino 01, centro 04 (atual CEF 04) e CG (atual Cem 01), depois faculdade na UCB. Levo minha vida normal como qualquer cidadão normal dessa cidade. Tento levar minha vida de forma tranquila, como qualquer cidadão normal da cidade. Feliz, e sem me envolver muito em questões políticas.

Resumidamente, eu não sou “apenas” o irmão do Deputado Daniel Donizet. Me chamo Danilo Donizet, tenho 37 anos, minha vida independente, minha profissão (me esforcei muito pra chegar onde estou), conheço essa cidade como poucos, e contribuí bastante para segurança do DF antes de ser afastado por problemas de saúde – a saber: estou aguardando um procedimento cirúrgico cardiológico e outro no joelho lesionado durante ocorrência. Hoje já fui promovido a Sargento, casado, tenho 2 lindos filhos e minha vida pacífica fora da política. Logo estarei de volta às ruas.

Por Danrley Pereira – Da Redação do Gama Cidadão.